China descobre tumba de 1,6 mil anos com casal abraçado

Local encontrado em 2020 teve pesquisa divulgada agora

Casal abraçado foi enterrado há mais de 1,6 mil anos em Datong, na China
Casal abraçado foi enterrado há mais de 1,6 mil anos em Datong, na China (foto: Xinhua/Universidade de Jilin)
13:27, 16 AgoCHANGCHUN ZGT

(ANSA) - Arqueólogos chineses divulgaram um estudo sobre uma tumba encontrada em Datong, na província de Shanxi, de 1,6 mil anos em que um casal está abraçado, publicou nesta segunda-feira (16) a agência estatal chinesa Xinhua.

Segundo a Universidade de Jilin, o sepultamento ocorreu durante a Dinastia Uei do Norte (386-534 d.C). O túmulo havia sido encontrado em 2020, mas só agora detalhes da descoberta foram publicados.

Os restos mortais masculino e feminino foram enterrados em um só caixão, sendo que o homem está com os braços ao redor do corpo da mulher que, por sua vez, tinha a cabeça encostada no peito do homem. Dentro da sepultura, também foi achado um anel de prata no dedo anelar dela.

Análises nos ossos mostraram uma fratura infeccionada e não curada no braço direito do homem, enquanto o esqueleto feminino não apresentava nenhum tipo de lesão. Os arqueólogos acreditam que ambos tiraram a vida juntos de forma não violenta.

Conforme a agência Xinhua, em entrevista com os pesquisadores, a descoberta de tumbas com dois esqueletos abraçados não é rara na região, mas encontrar uma tão bem preservada é algo a se comemorar, segundo os especialistas.

Tais locais ajudam os pesquisadores a entender e interpretar melhor as "percepções sociais" vigentes à época e os comportamentos afetivos durante a Dinastia Uei do Norte que, por conta da coexistência de vários grupos étnicos, tinha uma pluralidade maior do que as antecessoras. (ANSA).
   

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA