Pausini se une a movimento que pede 'volta ao normal' para shows

Expoentes das artes querem retorno de 100% da capacidade

Pausini defendeu que shows e eventos culturais voltem a ter lotação total
Pausini defendeu que shows e eventos culturais voltem a ter lotação total (foto: EPA)
14:59, 25 SetROMA ZGT

(ANSA) - A cantora italiana Laura Pausini se uniu ao movimento de artistas, promotores de cultura e associações do setor artístico que pedem que o governo da Itália permita a lotação total em locais de apresentação cultural - tanto abertos como fechados. Atualmente, há várias restrições por conta do andamento da pandemia de Covid-19.

"Dois anos de espera. De respeito pelas instituições. Mas, agora não há mais motivos. O nosso trabalho sempre foi subavaliado como parte integrante da sociedade. Queremos respeito. Logo. A música é compartilhar e a vida das pessoas deve poder recomeçar", escreveu Pausini em suas redes sociais.

O movimento pede que o governo libere 100% de capacidade, mas reafirmam que o "passe verde" deve ser exigido na entrada, assim como o uso de máscaras e a medição da temperatura corporal. Ou seja, a iniciativa não é contrária às regras sanitárias, mas pede apenas que haja uma ampliação do público.

"Nós tivemos uma queda no faturamento, entre 1º de janeiro e 31 de julho, de 98% em relação a 2019. Mas, mesmo com isso, nós demos um jeito de manter viva a arte", disse o presidente da Assomusica, uma entidade que representa grande parte dos promotores, Vicenzo Spera.

Recentemente, o ministro dos Bens Culturais, Dario Franceschini, disse que estava "confiante" com uma maior abertura para o setor de shows e apresentações na reunião que será realizada no dia 30 de setembro.

Já o subsecretário do Ministério da Saúde, Pierpaolo Sileri, é mais cauteloso, apesar de "reconhecer que chegou o tempo de aumentar a capacidade dos eventos". "Mas, isso precisa ser feito de maneira gradual e segura", acrescentou nesta semana.

Atualmente, cerca de 77% dos cidadãos italianos já iniciaram o ciclo de vacinação anti-Covid no país e há a obrigatoriedade de apresentar o passe verde para acessar qualquer tipo de equipamento cultural ou esportivo.

O certificado sanitário permite a entrada, além dos vacinados, de pessoas que mostrem que se curaram da doença há menos de seis meses ou que tenham teste negativo de até dois dias. (ANSA).
   

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA