Reedições de 'Decameron' marcam 700 anos de Boccaccio

Obra é considerada um embrião do que se viriam a ser os contos

Em 2013, Boccaccio também virou selo na Itália por conta das celebrações pelos 700 anos do seu nascimento (foto: Ansa)
14:59, 18 DezSÃO PAULO Lucas Rizzi

(ANSA) - Em 2013, a Academia Sueca concedeu à canadense Alice Munro o primeiro Nobel de Literatura da história para uma autora especializada em contos. Coincidência ou não, a escolha aconteceu no mesmo ano em que se celebram os sete séculos do nascimento daquele que é considerado um dos fundadores do gênero: Giovanni Boccaccio.
    Nascido muito provavelmente em Florença entre junho e julho de 1313, o escritor fez com que seu nome sobrevivesse ao passar tempo graças ao livro "Decameron" (ou Decamerão), que reúne 100 pequenos relatos retratando a vida e os costumes de sua época. As histórias são contadas durante 10 dias por sete rapazes e três moças que se refugiam em uma casa de campo para escapar da peste que dizimava a população florentina em meados do século XIV.
    A obra-prima de Boccaccio representou um marco na literatura ao estabelecer um padrão de estilo ficcional que foi se transformando nas novelas e nos contos. E para comemorar os 700 anos de seu autor, o volume ganhou duas novas edições no Brasil, uma completa, lançada pela L&PM, e outra da Cosac Naify com 10 narrativas selecionadas. "O 'Decameron' é um desses livros fundadores, indispensáveis. Ele está na base da cultura literária de todos os lugares", diz o professor de literatura italiana da Universidade de São Paulo (USP), Mauricio Santana Dias, também tradutor da coletânea, que ainda é ilustrada com desenhos do artista plástico paulistano Alex Cerveny.
    Segundo Dias, o livro permanece atual porque as histórias contadas por Boccaccio, apesar de sua imaginação, refletem bem o cotidiano do homem e apresentam situações verossímeis. Duas de suas principais características são a constante luta entre os vícios e as virtudes humanas e a capacidade criativa das pessoas de fazer frente a um destino nem sempre generoso.
    "Decameron" também marca o início da prosa italiana e estabelece um padrão de idioma, ainda que muito distante da língua falada atualmente no país. A diferença é tanta que existem traduções da obra para o italiano moderno. "É um livro muito rico do ponto de vista estilístico, tem uma variação de registro que vai do mais popularesco ao mais nobre", conta o professor da USP.
    Além de traduzir, ele foi o responsável por selecionar as 10 novelas que entraram para a edição da Cosac Naify. Para isso, Dias procurou escolher narrativas que representassem o conjunto do volume, tanto do ponto de vista temático como formal, incluindo histórias dramáticas e de comédias, aristocráticas e populares, e que são ambientadas em cidades variadas, como Nápoles, Florença e Veneza. "E entrou também a minha preferência pessoal. Deu bastante trabalho, mas eu tentei fazer um mapa do livro, algo que traçasse um microcosmo do conjunto", afirma.
    O professor revela que uma edição completa já está no forno, embora ainda não tenha prazo para sair devido aos seus muitos compromissos profissionais. Ele passou para o português mais de 20 relatos, porém não sabe quando vai conseguir terminar o serviço. "Mas vou fazer, já combinei", garante. A versão ainda terá um charme especial: será ilustrada com desenhos de artistas italianos do trecento e do quattrocento. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA

archivado en