Itália se prepara para declarar emergência por seca

Estiagem atinge as bacias dos rios Pó e Tibre

Leito de rio seco em Gênova por causa de estiagem
Leito de rio seco em Gênova por causa de estiagem (foto: ANSA)
09:30, 21 JunROMA ZLR

(ANSA) - O governo da Itália se encaminha para declarar estado de emergência por conta da estiagem que atinge boa parte do país, principalmente as bacias dos rios Pó, no norte, e Tibre, no centro.

"Acredito que existem as condições para declarar o estado de emergência", afirmou nesta terça-feira (21) o subsecretário do Ministério da Saúde, Andrea Costa, em entrevista à emissora Sky TG24.

As regiões italianas, sobretudo as do norte, já pressionam o governo a declarar estado de emergência, o que agilizaria a liberação de recursos para combater os efeitos da seca, principalmente no setor de agricultura.

"As preocupações das regiões são justificáveis, e o governo tomará uma decisão em conjunto com as regiões", acrescentou Costa.

Já o ex-premiê Enrico Letta, líder da centro-esquerda italiana, visitou a zona do Rio Pó e reforçou o pedido por estado de emergência "o quanto antes". "Pude tocar com a mão o tema da estiagem", declarou Letta, que faz parte da base de apoio ao primeiro-ministro Mario Draghi.

Por sua vez, o ministro da Transição Ecológica, Roberto Cingolani, afirmou estar "bastante preocupado" com a situação. "O fluxo de água é crucial para o setor hidroelétrico, inclusive para o resfriamento das centrais", reforçou.

A empresa italiana de energia Enel já foi forçada a desligar as turbinas de uma central elétrica na província de Piacenza por conta da seca no Rio Pó, que está com seu menor nível dos últimos 70 anos.

Partes da Itália setentrional enfrentam mais de 100 dias sem chuvas, cenário que se agravou com o aumento das temperaturas nos últimos dias. De acordo com a confederação de agricultores Coldiretti, a estiagem já causou danos de mais de 2 bilhões de euros no setor, e 28% do território italiano corre risco de desertificação. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA