Grandes grupos de comunicação suspendem cobertura no Alvorada

Veículos dizem que não há segurança para profissionais no local

Bolsonaristas constantemente xingam os profissionais da imprensa no 'cercadinho' em Brasília
Bolsonaristas constantemente xingam os profissionais da imprensa no 'cercadinho' em Brasília (foto: EPA)
11:28, 26 MaiSÃO PAULO ZGT

(ANSA) - Os maiores grupos de comunicação do Brasil anunciaram na noite desta segunda-feira (25) que suspenderam a cobertura diária do presidente Jair Bolsonaro na saída do Palácio da Alvorada por falta de segurança para seus profissionais.

Entre os que fizeram o anúncio está o Grupo Globo - que inclui as emissoras TV Globo e Globo News, os jornais O Globo e Valor Econômico e o portal G1 -, a Folha de S. Paulo, o portal UOL, o grupo Bandeirantes e o portal de Brasília, Metrópoles. Apesar de não fazer um comunicado oficial, os repórteres do O Estado de S. Paulo também não foram ao local.

Chamado informalmente de "cercadinho", o local reunia tanto os profissionais de comunicação como alguns apoiadores do presidente. Diariamente, no entanto, jornalistas, repórteres, fotógrafos e cinegrafistas eram alvo de xingamentos de todos os tipos dos bolsonaristas.

Em vários momentos, o próprio Bolsonaro foi ofensivo com os profissionais, inclusive mandando alguns jornalistas "calarem a boca" ao fazerem questionamentos.

Tanto a Folha como a Globo informaram ao Gabinete de Segurança Institucional (GSI) sobre a suspensão da cobertura e questionaram a falta de segurança no local. Em carta, o Grupo Globo afirma que as "agressões vêm crescendo".

"São muitos os insultos e os apupos que os nossos profissionais vêm sofrendo dia a dia por parte dos militantes que ali se encontram, sem qualquer segurança para o trabalho jornalístico", diz parte da nota enviada ao GSI. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA