Vice da CPI pede quebra de sigilo bancário e telefônico de Pazuello

Ex-ministro da Saúde presta depoimento na CPI da Covid

Ex-ministro da Saúde presta depoimento na CPI da Covid
Ex-ministro da Saúde presta depoimento na CPI da Covid (foto: EPA)
17:44, 19 MaiSÃO PAULO ZCC

(ANSA) - O vice-presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), disse nesta quarta-feira (19) que solicitou a quebra de sigilo telefônico, fiscal, bancário e telemático - redes sociais e e-mail - do ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello.

Em publicação no Twitter, o senador informou que "o requerimento tem como base as denúncias de contratação de empresas para a reforma de galpões do Ministério da Saúde sob o pretexto da emergência da pandemia".

Randolfe pediu para que todos os dados compilados desde 2020 sejam compartilhados com a comissão em decorrência da "gravíssima revelação" feita pelo "Jornal Nacional", da TV Globo, no dia 18 de maio.

Segundo a reportagem, durante a gestão do general, militares escolheram, sem licitação, empresas para reformar prédios antigos no Rio de Janeiro no valor total de R$28,9 milhões.

Os acordos teriam sido anulados porque a Advocacia Geral da União (AGU) negou as duas dispensas de licitação e pediu investigação par apurar "indícios de conluio entre o os servidores e a empresa contratada".

Até o momento, no entanto, não há data para a solicitação ser analisada pelos membros da CPI.

Na última segunda-feira (17), o senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) já havia pedido à CPI a quebra de sigilo telefônico, fiscal, bancário e telemático de Pazuello, Carlos Bolsonaro, Ernesto Araújo, Fabio Wajngarten e Carlos Wizard.

Para o congressista, eles estão envolvidos em suposto "Ministério Paralelo da Saúde". (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA