Encontro no espaço entre Soyuz e Apollo completa 40 anos

Foi o começo da colaboração entre os dois países

Ilustração do encontro entre as duas naves, ocorrido em 17 de julho de 1975
Ilustração do encontro entre as duas naves, ocorrido em 17 de julho de 1975 (foto: Ansa)
20:32, 16 JulSÃO PAULO ZLR

(ANSA) - Nesta sexta-feira, 17 de julho, completam-se 40 anos do histórico encontro em órbita entre a nave soviética Soyuz e a norte-americana Apollo. Em 1975, o evento marcava oficialmente o fim da corrida espacial entre Estados Unidos e URSS, com o início de uma colaboração mútua que persiste até hoje, agora com a Rússia.
    Os protagonistas foram os astronautas da Nasa Tom Stafford, Deke Slayton e Vance Brand e os cosmonautas russos Aleksey Leonov e Valery Kubasov. Chamada de "Programa de Teste Apollo-Soyuz", a missão previa o encontro em órbita das naves para permitir às duas tripulações que passassem de uma cápsula para a outra.
    No entanto, foi bem mais que isso. Se o módulo de conexão, projetado pelas duas potências e construído nos EUA, provou que duas naves diferentes podiam se unir em órbita, o lado humano do evento, enfatizou a Nasa, foi em outra direção. Nesse encontro no espaço, as duas tripulações demonstraram que, em poucos minutos, é possível derrubar barreiras culturais, políticas e linguísticas.
    Era a época da Guerra Fria e no início havia bastante tensão. "Pensava que iríamos encontrar pessoas muito agressivas, e eles provavelmente também achavam que éramos monstros cruéis. Mas esse muro foi destruído rapidamente, porque quando você lida com pessoas que fazem o mesmo trabalho que o seu e você se vê frente a frente com elas, descobre que são humanos como você", disse Brand.
    Outro problema a ser superado foi a língua. "O programa previa que cada tripulante deveria dialogar em seu próprio idioma, mas isso não funcionou e, em certo momento, alguns astronautas passaram a falar um na língua do outro, e foi assim que começamos a nos comunicar", afirmou Stafford. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA

archivado en