Após perder patrocínio, Williams cogita vender equipe de F1

Equipe enfrenta crise dentro das pistas e em sua economia

O piloto Robert Kubica, da Williams, durante o Grande Prêmio do Japão de F1
O piloto Robert Kubica, da Williams, durante o Grande Prêmio do Japão de F1 (foto: EPA)
12:47, 29 MaiROMA ZRS

(ANSA) - Enfrentando uma crise econômica em decorrência da pandemia do novo coronavírus (Sars-CoV-2) e presa entre resultados negativos no esporte, a Williams anunciou nesta sexta-feira (29) que está considerando vender sua equipe de Fórmula 1.

A Williams, que fechou as duas últimas temporada da F1 na lanterna do campeonato de construtores, teve um prejuízo de 13 milhões de libras (por volta de R$ 86 milhões). Além disso, a equipe perdeu dois dos seus principais patrocinadores: a empresa de telecomunicações RoKiT e a marca de bebidas ROK Drinks.

Em um comunicado, a Williams informou que "examina todas as opções estratégicas disponíveis, como a venda da participação majoritária, incluindo uma venda total da empresa".

A equipe ainda acrescentou que as outras opções consideradas são a entrada de um acionista minoritário ou de uma angariação de fundos. O time britânico também indicou que "conversações preliminares" com "um pequeno número de interlocutores" já estão em andamento.

"Os resultados de 2019 refletem o recente declínio de nossa competitividade nas operações da Fórmula 1 e as reduções resultantes na receita de direitos comerciais. Após 4 anos de sólidos resultados no campeonato de F1, onde conquistamos dois terceiros lugares e dois quintos lugares, tivemos duas temporadas muito difíceis", disse Mike O'Driscoll, CEO da Williams.

A Williams também colocou a maioria de sua equipe de F1 em um período prolongado no sistema de desemprego parcial do governo britânico para mitigar os efeitos da crise da pandemia.

A Williams foi fundada em 1977 e conquistou nove títulos mundiais de construtores e sete de pilotos. A equipe não vence um título desde 1997. Frank Williams, fundador do time, possui 52,3% da equipe.(ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA