Presidente da FIA diz que Schumacher 'continua lutando'

Jean Todt também confirmou que o alemão 'é muito bem cuidado'

Acidente de Schumacher completará em 2020 sete anos
Acidente de Schumacher completará em 2020 sete anos (foto: ANSA)
10:57, 16 NovROMA ZRS

(ANSA) - O presidente da Federação Internacional de Automobilismo (FIA), Jean Todt, afirmou que o ex-piloto de Fórmula 1 Michael Schumacher, que sofreu um grave acidente de esqui há quase sete anos, "continua lutando".

As verdadeiras condições de saúde do heptacampeão mundial de F1 ainda são um mistério, já que poucas pessoas têm acesso à casa de Schumi.

Todt, que é um grande amigo pessoal do ex-piloto alemão, visitou Schumacher e comentou que ele vem sendo "muito bem cuidado".

"Ele continua lutando. Só podemos desejar a ele e à sua família que as coisas melhorem. O Schumacher é muito bem cuidado", disse Todt em entrevista à emissora francesa "RTL".

Há alguns meses, Todt informou que a família de Schumi está "trabalhando" para que o alemão realize a sua primeira aparição pública desde o acidente em 2013, quando o ex-piloto se desequilibrou em uma pista de esqui em Méribel, no sul da França, e bateu a cabeça em uma rocha. O impacto gerou graves lesões cerebrais.

A família tenta manter seu estado de saúde em silêncio absoluto. Em uma das raras declarações públicas sobre o tema, Corinna Betsch, esposa de Schumi, deu a entender que o alemão segue reagindo lentamente.

Mick Schumacher

Todt também comentou sobre o piloto Mick Schumacher, filho de Michael Schumacher, que está na liderança da atual temporada da Fórmula 2.

Para o presidente da FIA, o alemão poderá ganhar uma chance na F1 em 2021.

"Provavelmente correrá na F1 no próximo ano, estamos muito contentes por ter novamente um Schumacher no mais alto nível do automobilismo", disse o francês.

Romain Grosjean e Kevin Magnussen deixarão a Haas no final da atual temporada e Schumacher vem sendo especulado para assumir uma das vagas, assim como o russo Nikita Mazepin. (ANSA).
   

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA