Robinho e outros atletas do Basaksehir prestam apoio para Exército turco

Jogadores do time fizeram uma saudação militar após um gol

Robinho e outros atletas do Basaksehir prestam apoio para Exército turco
Robinho e outros atletas do Basaksehir prestam apoio para Exército turco (foto: Divulgação/Basaksehir )
15:26, 25 OutSÃO PAULO ZRS

(ANSA) - A polêmica saudação militar a favor das Forças Armadas da Turquia voltaram aos gramados. Desta vez, o gesto foi realizado pelos atletas do Istambul Basaksehir na vitória desta quarta-feira (24) por 1 a 0 sobre o Wolfsberg, da Áustria.

Na ocasião, a saudação foi realizada na parte final do jogo, após Irfan Kahveci ter marcado o único gol do duelo. Durante a celebração, quatro jogadores do Basaksehir, incluindo o atacante brasileiro Robinho, pararam na frente dos fotógrafos e prestaram continência.

O Basaksehir, detentor de dois títulos do Campeonato Turco, é considerado o time de coração do presidente Recep Tayyip Erdogan. Outros dois clubes da Turquia, Fenerbahçe e Galatasaray, também se mostraram a favor da ação.

As manifestações de apoio de jogadores turcos para a ofensiva do país contra os curdos no nordeste da Síria geraram muita discussão no cenário internacional. Diversos políticos criticaram os gestos, que foram realizados principalmente pelos atletas da seleção da Turquia, e pediram para a Uefa punir a federação local.

Jogadores como Cengiz Ünder, da Roma, e Merih Demiral, da Juventus, apoiaram a ofensiva do Exército nas redes sociais. O zagueiro da Velha Senhora, inclusive, bateu continência em uma partida entre Turquia e França, em Paris, pelas Eliminatórias para a Eurocopa de 2020.

Em um caso semelhante, o time do St. Pauli, da segunda divisão do Campeonato Alemão, demitiu o jogador turco Cenk Sahin por ter apoiado a ofensiva do seu país em uma publicação no Instagram.

Após o fim do ataque turco, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, revogou nesta quarta-feira (23) as sanções que havia imposto à Tur quia por conta da incursão militar.

Iniciada em 9 de outubro, após os EUA terem anunciado a retirada de suas tropas da Síria, a ofensiva turca teve o apoio de milícias árabes e foi marcada por denúncias de violações dos direitos humanos, inclusive de execuções sumárias de civis.(ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA