MP da Suíça devolve R$ 220 milhões desviados a Conmebol

Quantia foi confiscada de dois ex-dirigentes da entidade

Nicolás Leoz foi presidente da Conmbeol entre 1986 e 2013
Nicolás Leoz foi presidente da Conmbeol entre 1986 e 2013 (foto: EPA)
15:02, 14 OutSÃO PAULO ZRS

(ANSA) - O Ministério Público (MP) da Suíça anunciou nesta quarta-feira (14) que restituiu à Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol) um valor total de 36,6 milhões de francos suíços (cerca de R$ 220 milhões), que foi confiscado de dois ex-dirigentes da entidade acusados de corrupção.

O valor foi desviado para bancos do país europeu pelo ex-presidente da Conmebol Nicolás Leoz (1986-2013), que faleceu em agosto de 2019, e pelo ex-secretário-geral da entidade Eduardo Deluca.

O MP suíço afirmou no comunicado que os dois ex-cartolas foram acusados pelas autoridades de "enriquecimento ilícito".

A justiça da Suíça revelou que Deluca e Leoz receberam subornos em troca da concessão de direitos de transmissão de torneios organizados pela Conmebol, entre eles a Copa América e Copa Libertadores da América. Ambos foram banidos do futebol.

 Leoz foi vice-presidente da Fifa e era um dos homens de confiança de Sepp Blatter. O ex-dirigente paraguaio também estava sendo investigado por ter supostamente embolsando uma quantia para favorecer as escolhas das sedes das Copas do Mundo de 2018 e 2022. (ANSA).
   

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA