Presidente da Federação Boliviana é preso em jogo da seleção

Marcos Rodríguez foi detido pela polícia acusado de corrupção

Marcos Rodríguez é presidente da FBF desde julho
Marcos Rodríguez é presidente da FBF desde julho (foto: Reprodução)
13:28, 13 NovROMA ZRS

(ANSA) - O presidente da Federação Boliviana de Futebol (FBF), Marcos Rodríguez, foi preso nesta quinta-feira (12) no estádio Hernando Siles, em La Paz, onde estava assistindo ao jogo entre Bolívia e Equador pelas Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2022.

De acordo com a imprensa local, Rodríguez foi detido sob as acusações de irregularidades administrativas e corrupção.

Em uma das denúncias, o presidente da FBF é acusado de ser um dos responsáveis por um suposto superfaturamento na compra de terrenos para a construção de um novo centro de treinamento da seleção boliviana.

As imagens de Rodríguez sendo levado pelos agentes durante o intervalo da partida viralizaram nas redes sociais.

Rolando Aramayo, um dos membros da FBF, informou que as eleições do novo presidente da entidade, agendadas para este final de semana, estão em risco.

O único candidato é Fernando Costa, presidente do Always Ready, mas as tradicionais equipes bolivianas, como Bolívar, Jorge Wilstermann, Oriente Petrolero e Blooming não reconhecem a eleição.

Rodríguez assumiu a presidência da FBF em julho, após a morte de seu antecessor, Cesar Salinas. Entretanto, seu mandato é marcado por uma grave crise na entidade e uma divisão entre os clubes de futebol do país.

A crise na federação traz reflexos no futebol, já que os campeonatos ainda estão paralizados e não possuem previsão de volta.

A seleção boliviana ainda não somou pontos em três rodadas e é a lanterna das Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2022. Os comandados do venezuelano César Farías foram derrotados pelo Equador por 3 a 2.

A Bolívia, que foi campeã da Copa América de 1963, não disputa uma Copa do Mundo desde 1994. Os bolivianos também já jogaram os Mundiais de 1930 e 1950. (ANSA).
   

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA

archivado en