Prefeita de Turim foi 'negligente' em festa da Juve em 2017

Tribunal ainda afirmou que Appendino foi 'imprudente' no caso

Prefeita de Turim, Chiara Appendino, durante um evento
Prefeita de Turim, Chiara Appendino, durante um evento (foto: ANSA)
10:39, 13 MaiTURIM ZRS

(ANSA) - O Tribunal de Turim, na Itália, revelou nesta quinta-feira (13) que a prefeita Chiara Appendino foi "imprudente" e "negligente" na confusão na Piazza San Carlo, em 3 de junho de 2017, durante a transmissão do jogo da Juventus na Liga dos Campeões.

De acordo com as autoridades, Appendino fez escolhas "precipitadas", esquecendo-se de "garantir a devida importância ainda na fase de decisão dos aspectos de segurança".

A juíza Maria Francesca Abenavoli acrescentou que a prefeita "encomendou" o evento na praça e depois se "desinteressou de todos os processos operacionais".

"Na sentença, o reconfortante é que muitas das considerações feitas pela defesa são acatadas. Não era a alta direção do município que devia fiscalizar o cumprimento das prescrições impostas pela comissão. Será um dos aspectos fundamentais do recurso, que pediremos absolvição total", afirmaram os advogados Luigi Chiappero e Enrico Cairo, defensores de Appendino no julgamento.

Na oportunidade, uma grande confusão tomou conta do local, onde milhares de torcedores se acumularam para assistir ao jogo entre Juventus e Real Madrid pela final da Champions League.

O tumulto foi provocado por quatro jovens que usaram spray de pimenta no público para cometer roubos. O Tribunal de Turim condenou o grupo por homicídio culposo.

A tragédia deixou mais de 1,6 mil feridos e causou a morte direta de Erika Pioletti e indireta de Marisa Amato, que faleceu 18 meses depois por complicações que podem ter sido provocadas por erros médicos.

Appendino foi condenada a um ano e seis meses de prisão no julgamento que aconteceu com "rito abreviado", ou seja, quando o réu dispensa a presença de testemunhas de defesa para garantir uma redução da pena. (ANSA).
   

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA