Liga italiana apoia clubes que não liberarem atletas para seleções

Italianos se uniram a espanhóis e ingleses por mudança da Fifa

Alex Sandro é um dos convocados de Tite que joga na Itália
Alex Sandro é um dos convocados de Tite que joga na Itália (foto: EPA)
15:46, 25 AgoMILÃO ZGT

(ANSA) - A Lega Serie A, que gere a elite do futebol italiano, afirmou nesta quarta-feira (25) que apoiará os clubes que não liberarem seus jogadores para seleções que atuem em países onde há a obrigação de fazer uma quarentena no retorno à Itália por conta da pandemia de Covid-19.

A decisão é semelhante às anunciadas pela Premier League e La Liga e afeta, diretamente, as nações da América do Sul.

"A decisão da Fifa de não estender as exceções para as convocações de países onde exista uma obrigação de quarentena no retorno (circular 1749 Fifa) e as diversas limitações ligadas à difusão da pandemia criariam uma disparidade competitiva para as equipes que permitissem aos próprios membros viajarem para tais países", diz ainda o comunicado.

A insatisfação dos clubes com a Fifa vem do fato da entidade ter ampliado a janela de jogos das seleções de maneira unilateral em setembro e de não ter levado em consideração a questão dos países europeus na gestão da pandemia.

A Itália, por exemplo, sequer permite viagens no caso do Brasil para o público em geral - apenas de cidadãos que tenham moradia no país e casos específicos. Do país, Tite convocou os laterais Alex Sandro e Danilo, ambos da Juventus.

Considerando Inglaterra e Espanha, são 13 os convocados brasileiros afetados.

O anúncio italiano surge horas depois do presidente da Fifa, Gianni Infantino, fazer um apelo para ingleses e espanhóis.

"Peço uma demonstração de solidariedade de todas as federações associadas, todas as ligas e todos os clubes, que façam o que é certo e justo para o esporte global. Muitos dos melhores jogadores do mundo competem em ligas como as da Inglaterra e da Espanha, e acreditamos que esses países também têm responsabilidade de preservar e proteger a integridade esportiva das competições ao redor do mundo", disse em comunicado.

Infantino ainda fez um apelo para que o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, colocasse em prática o que fez durante a final da Eurocopa 2020, quando os estrangeiros que estavam em países da "lista vermelha" não precisavam cumprir a quarentena, mas precisavam seguir um protocolo sanitário bastante rigoroso.

"Juntos, nós conseguimos demonstrar solidariedade e unidade na luta contra a Covid-19. Agora, exorto a todos para garantir a liberação dos jogadores internacionais para as próximas classificatórias da Copa do Mundo", acrescentou. (ANSA).
   

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA