Anvisa interrompe partida entre Brasil e Argentina

4 atletas argentinos deram informações sanitárias falsas

Jogadores argentinos entraram em campo sem respeitar quarentena (foto: EPA)
17:06, 05 SetSÃO PAULO ZGT

(ANSA) - A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e agentes da Polícia Federal interromperam na tarde deste domingo (5) a partida entre Brasil e Argentina pelas Eliminatórias da Copa do Mundo. A partida estava sendo realizada na Neo Química Arena, em São Paulo.

O caso envolve a descoberta de que quatro atletas da seleção argentina mentiram na declaração sanitária ao entrar no Brasil.

Lo Celso, Martínez, Buendía e Romero não informaram que tinham passado pelo Reino Unido e, assim, não cumpriram uma quarentena de 14 dias por conta da pandemia de Covid-19. Os quatro entraram em campo no último fim de semana pela Premier League.

A Anvisa, então, emitiu uma ordem neste domingo para que eles fossem deportados, mas a Federação Argentina colocou os atletas em campo.

Em entrevista à Rede Globo, o diretor-presidente da Anvisa, Antonio Barra Torres, disse que a situação chegou a esse ponto porque houve uma série de descumprimento de orientações dadas pelo órgão.

"Eles foram contatados e deveriam ter ficado isolados no hotel. Mas, isso não foi cumprido. Eles foram ao estádio e entram em campo. Isso é, uma série de descumprimentos", disse Torres.

Ainda conforme Torres, a Anvisa não tem como fazer uma "guarda" dos atletas e esperava que as leis brasileiras fossem cumpridas.

Ele ainda informou que a informação de que os jogadores haviam mentido chegou à agência na noite deste sábado (4) e que, desde então, os procedimentos corretos foram adotados - mas desrespeitados pelos argentinos.

Jogo suspenso

Cerca de uma hora após a paralisação da partida, a Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol) suspendeu a partida entre Brasil e Argentina e disse que a Fifa irá resolver a situação daqui por diante. 

 

Os brasileiros permaneceram em campo para um treinamento enquanto os argentinos deixaram o estádio. (ANSA).
   

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA

archivado en