PF investiga argentinos por falsidade ideológica, diz TV

No total, quatro atletas desrespeitaram as medidas anti-Covid

Brasileiros e argentinos conversando na beira do gramado
Brasileiros e argentinos conversando na beira do gramado (foto: ANSA)
11:14, 06 SetSÃO PAULO ZRS

(ANSA) - Os quatro jogadores argentinos que não ficaram em quarentena para evitar a disseminação do novo coronavírus estão sendo investigados pela Polícia Federal (PF) por falsidade ideológica, informou a emissora "GloboNews" nesta segunda-feira (6). 

A investigação contra os atletas Emiliano Martínez, Emiliano Buendía, Cristian Romero e Giovani Lo Celso teria sido aberta já no domingo (5), segundo informações de fontes da PF em entrevista à "GloboNews".

O grupo também será investigado por descumprir as regras sanitárias impostas em função da pandemia de Covid-19. A PF aponta que os jogadores e a comissão técnica da seleção da Argentina já sabiam que eles não poderiam entrar em campo.

A partida entre Brasil e Argentina foi interrompida aos cinco minutos após agentes da Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa) terem ido ao gramado da Neo Química Arena, em São Paulo, para exigir a deportação de quatro atletas argentinos que mentiram no formulário sanitário anti-Covid na entrada no país.

Lo Celso, Martínez, Buendía e Romero não informaram que tinham passado pelo Reino Unido e, assim, não cumpriram uma quarentena de 14 dias. Os quatro jogadores entraram em campo no último fim de semana pela Premier League. A Anvisa emitiu uma ordem para que eles fossem deportados, mas a Federação Argentina colocou os atletas em campo.

Os quatro atletas foram ouvidos pelos agentes da PF, mas todos já deixaram o Brasil e desembarcaram na Argentina.

Em nota, a Fifa informou que irá analisar detalhadamente a suspensão da partida que seria válida pelas Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2022, no Catar.

A seleção da Argentina voltará aos gramados nesta quinta-feira (9) para enfrentar a Bolívia. No mesmo dia, o Brasil pegará o Peru. (ANSA).

   

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA