Itália perde para Macedônia do Norte e está fora da Copa

Mesmo jogando em casa, Azzurra foi derrotada por 1 a 0

Azzurra está fora da Copa do Mundo pela 2ª vez consecutiva (foto: ANSA)
19:53, 24 MarSÃO PAULO ZRS

(ANSA) - Mesmo jogando em casa e tendo pressionado durante os 90 minutos, a seleção da Itália foi derrotada nesta quinta-feira (24) pela Macedônia do Norte por 1 a 0 e está fora da Copa do Mundo de 2022, no Catar.

A atual campeã da Eurocopa dominou a partida, mas perdeu diversas chances no Estádio Renzo Barbera, em Palermo. O gol que tirou a chance da Azzurra voltar a disputar um Mundial foi marcado nos acréscimos do segundo tempo por Aleksandar Trajkovski, do Al-Fayha.

Um dos pontos mais curiosos sobre a eliminação da Azzurra, é que o jogador que deu a vitória para os macedônios defendeu a equipe do Palermo entre 2015 e 2019. O decisivo duelo disputado hoje (24) aconteceu na casa do clube siciliano.

Após não ter conseguido se classificar para a Copa do Mundo de 2018, na Rússia, a Itália falhou na tentativa de jogar a edição de 2022. Com esse novo vexame, a seleção ficou de fora de dois Mundiais seguidos pela primeira vez na história.

A seleção da Itália já conquistou quatro vezes a Copa do Mundo, mas o último título faturado foi na edição de 2006. Nos Mundiais de 2010 e 2014, os dois mais recentes disputados pelo país europeu, a Azzurra foi eliminada na primeira fase.

"É difícil explicar, há uma grande decepção, estamos destruídos. Criamos várias chances para marcar, mas não fomos presunçosos. Certamente faltou alguma coisa, nós pagamos pelos erros cometidos a partir de setembro. Mesmo assim estou orgulhoso dos meus companheiros, espero que Roberto Mancini fique, precisamos dele para isso", disse o zagueiro Giorgio Chiellini no final do jogo.

A Macedônia do Norte, por sua vez, continua seu sonho de disputar pela primeira vez uma Copa do Mundo. Após despachar a Itália, o país tentará garantir sua vaga diante de Portugal, que venceu a Turquia por 3 a 1. (ANSA).

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA