Fifa anuncia lançamento de plataforma de streaming gratuita

Fifa+ promete transmitir mais de 40 mil jogos de futebol por ano

Gianni Infantino durante um congresso da Fifa em Doha
Gianni Infantino durante um congresso da Fifa em Doha (foto: EPA)
14:05, 12 AbrROMA ZRS

(ANSA) - Com o objetivo de transmitir uma série de jogos e cobrir as principais ligas do mundo, a Fifa anunciou nesta terça-feira (12) o lançamento da sua própria plataforma de streaming, que recebeu o nome de Fifa+.

"A plataforma foi criada para aproximar ainda mais os torcedores do esporte que amam de forma gratuita. O serviço terá acesso a partidas ao vivo do mundo tudo, jogos interativos, notícias e um conteúdo de vídeo inovador para oferecer uma narrativa global do futebol masculino e feminino", informou a entidade máxima do futebol.

A Fifa destacou que é a primeira federação esportiva da história a oferecer aos fãs uma experiência de streaming dessa magnitude.

"O Fifa+ é o próximo passo para concretizar nossa visão de tornar o futebol verdadeiramente global e inclusivo, e sustenta a missão central da Fifa de expandir e desenvolver o futebol em todas as partes do planeta", disse o presidente da Fifa, Gianni Infantino.

Disponível em cinco idiomas diferentes, o serviço de streaming deverá estar disponível inicialmente para dispositivos móveis e web. O objetivo é transmitir mais de 40 mil jogos ao vivo por ano de 100 países diferentes, incluindo 11 mil partidas de futebol feminino.

Tendo em vista a Copa do Mundo de 2022, no Catar, a plataforma disponibilizará um arquivo que terá todas as partidas da história da competição já filmadas.

Entre outros conteúdos no Fifa+, haverá o Match Center, que permitirá o torcedor explorar vários dados de futebol relativos a 400 competições masculinas e 65 femininas. Além disso, um feed de notícias diário será disponibilizado.

Os fãs poderão aproveitar jogos interativos, como votação e questionários, além de longas-metragens, séries documentais e talk shows sobre futebol. (ANSA).
   

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA