Medalhista de ouro do Irã é acusado de ser 'terrorista'

Porta-voz do COI disse que quem acusa deve 'enviar provas'

COI cobrou provas de quem acusa iraniano de ter passado 'terrorista'
COI cobrou provas de quem acusa iraniano de ter passado 'terrorista' (foto: ANSA)
13:47, 30 JulTÓQUIO ZGT

(ANSA) - O atleta iraniano Javad Foroughi, medalha de ouro no tiro esportivo 10 metros, foi acusado por adversários e por um grupo do país de ser um "terrorista" porque fez parte do Corpo dos Guardiões da Revolução Islâmica.

A organização começou a ser considerada terrorista há cerca de dois anos durante o governo de Donald Trump nos Estados Unidos. O título também foi dado pelo Bahrein e pela Arábia Saudita, mas não por países europeus ou algum órgão mundial.

Foroughi é enfermeiro e, segundo a mídia de Teerã, ele está no quadro dos Guardiões apenas como profissional sanitário. Ainda conforme as publicações, ele aprendeu a atirar durante o período que atuou como voluntário em um hospital da Síria, em 2013, para defesa própria. No entanto, após receber a medalha de ouro, ele bateu continência militar e suscitou críticas.

Um dos primeiros a se manifestar foi um adversário, o sul-coreano Jin Jongoh, que ficou na 15ª colocação. "Como pode um terrorista vencer o ouro? Essa é a coisa mais absurda e ridícula que já vi", disse à mídia nacional.

Quem também se manifestou foi o grupo United for Navid, que se formou após o lutador esportivo Navid Afkari ser enforcado pela Justiça do Irã em 2020 por esfaquear um segurança. Em nota, a organização afirmou que "conceder uma medalha de ouro olímpica a um membro de uma organização terrorista é uma afronta terrível aos atletas e ideais olímpicos e deixa uma mancha no COI".

Questionado por jornalistas nesta sexta-feira (30), o porta-voz do Comitê Olímpico Internacional (COI), Mark Adams, afirmou que "se alguém tem provas, que nos envie" para análise. Caso for comprovada alguma ligação, a medalha pode ser retirado. (ANSA).
   

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA