COI abre investigação contra comitê de Belarus

Órgão é acusado de perseguir velocista bielorrussa

Krystsina Tsimanouskaya, em foto de arquivo
Krystsina Tsimanouskaya, em foto de arquivo (foto: ANSA)
13:43, 03 AgoROMA ZLR

(ANSA) - O Comitê Olímpico Internacional (COI) abriu nesta terça-feira (3) uma investigação formal contra o Comitê Olímpico de Belarus devido ao caso da corredora Krystsina Tsimanouskaya, que denunciou ter sido forçada a interromper sua participação nas Olimpíadas.

"Essas coisas levam tempo, e precisamos escutar todos os envolvidos", declarou o porta-voz do COI, Mark Adams, acrescentando que o órgão já conversou duas vezes com Tsimanouskaya.

A velocista disse ter sido coagida a voltar a Belarus no último domingo (1º), após ter criticado as decisões de seus treinadores nas redes sociais. Tsimanouskaya chegou a ser levada a força para o aeroporto internacional de Tóquio, mas pediu ajuda para a polícia japonesa e não embarcou para Minsk.

Na última segunda-feira (2), a Polônia ofereceu asilo humanitário para a corredora. Belarus é governada desde 1994 pelo presidente Aleksandr Lukashenko, chamado por críticos de "o último ditador da Europa".

Acusado de fraudar as eleições de agosto de 2020, o mandatário reforçou a repressão contra adversários e manifestantes que saíram às ruas para protestar. Por conta disso, o regime bielorrusso se tornou alvo de sanções da União Europeia, da qual a Polônia - que tem fronteira terrestre com Belarus - faz parte. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA