Comitê Paralímpico confirma que atletas afegãos deixaram país

Khudadadi e Rasouli não vão conseguir disputar as Paralimpíadas

Zakia Khudadadi iria disputar as Paralimpíadas de Tóquio
Zakia Khudadadi iria disputar as Paralimpíadas de Tóquio (foto: Ansa)
10:55, 25 AgoROMA ZRS

(ANSA) - O Comitê Paralímpico Internacional (IPC) revelou nesta quarta-feira (25) que os dois atletas afegãos que iriam disputar as Paralimpíadas de Tóquio, no Japão, conseguiram deixar seu país em segurança.

Os destinos de Zakia Khudadadi e Hossain Rasouli não foram informados oficialmente pela entidade, mas a emissora australiana "ABC" apontou que a dupla foi levada para a Oceania.

De acordo com Craig Spencer, porta-voz do IPC, Khudadadi e Rasouli estão passando por "ajuda psicológica", tendo em vista o processo "traumático" que vivenciaram recentemente no Afeganistão.

"Foram feitos muitos esforços para tirá-los do Afeganistão, mas agora estão em um local seguro. Eu não vou dizer onde por que não se trata de esporte, e sim de vidas humanas", declarou Spencer em uma coletiva de imprensa.

Os dois lutadores iriam competir em Tóquio no estreante parataekwondo. No entanto, em função do caótico momento do Afeganistão, nenhum deles conseguiu viajar para a capital japonesa, já que os voos civis foram suspensos depois que o grupo fundamentalista islâmico Talibã assumiu o controle do país.

Khudadadi, de 23 anos de idade, seria a primeira mulher afegã na história a disputar os Jogos Paralímpicos. Ela realizou até um apelo pedindo auxílio para deixar a nação para competir no megaevento esportivo.

Desta forma, o Afeganistão ficou sem representantes nas Paralimpíadas de Tóquio, mas foi homenageado na cerimônia de abertura da competição ao ter sua bandeira levada no Estádio Nacional. (ANSA).
   

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA