Venezianos se vestem de piratas em protesto contra cruzeiros

Moradores não querem grandes navios dentro da Lagoa de Veneza

Navio cruzeiro em Veneza
Navio cruzeiro em Veneza (foto: Ansa)
20:36, 27 SetSÃO PAULO ZLR

(ANSA) - Em mais um ato contra o turismo de massa, cerca de mil pessoas protestaram na piazza San Marco, em Veneza, contra os navios de cruzeiro e grandes embarcações que costumam passar pela cidade. O ato ocorreu na noite do último domingo (25).
   

 

As pessoas se vestiram de piratas, levantaram cartazes, fizeram coro e foram com barquinhos atrás dos cruzeiros que estavam esperando para atracar. Além disso, apontaram espadas contra os "gigantes da água", hastearam bandeiras piratas e gritaram frases de ordem. Apesar de pacífica, a manifestação atrasou em algumas horas o desembarque dos turistas.
   

 

"No grandi navi nella laguna!" ("Sem grandes navios na Lagoa!") e "Venezia per i veneziani!" ("Veneza para venezianos") foram alguns dos gritos entoados durante o protesto. Cerca de 600 transatlânticos navegam pelo Canal de Giudecca por ano, e especialistas continuam alertando sobre os riscos que corre a frágil arquitetura da cidade.
   

 

Recentemente, o Comitê do Patrimônio Mundial da Unesco ameaçou colocar Veneza na lista de lugares "em risco" se as autoridades continuassem a permitir a passagem de grandes navios. Desde o ano passado, protestos e campanhas procuram pressionar a Prefeitura para vetar o tráfego. No entanto, isso custaria um milhão de turistas a menos por ano e afetaria o principal setor da economia local, segundo o prefeito Luigi Brugnaro.
   

 

Mas o tráfego aquático não é um problema isolado. As críticas feitas pelos ativistas também se referem ao turismo desenfreado que vêm acontecendo. O fluxo contínuo e crescente de viajantes está incomodando os habitantes. Em média, cerca de 2,6 venezianos abandonam por dia a capital do Vêneto.
   

 

A cidade tem convivido com frequentes protestos, páginas no Facebook e até cartazes pelas vielas venezianas cobrando um turismo mais sustentável. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA