Liga Norte assina acordo com partido de Putin

Legenda ultranacionalista vai "colaborar" com o Rússia Unida

O secretário da Liga Norte, Matteo Salvini, cultiva o sonho de se tornar primeiro-ministro
O secretário da Liga Norte, Matteo Salvini, cultiva o sonho de se tornar primeiro-ministro (foto: ANSA)
15:41, 06 MarMOSCOU ZLR

(ANSA) - A legenda ultranacionalista italiana Liga Norte assinou nesta segunda-feira (6), em Moscou, um "acordo de cooperação" válido por cinco anos com o partido Rússia Unida, do presidente Vladimir Putin.

O documento foi firmado pelo secretário da Liga, Matteo Salvini, e pelo vice-secretário-geral do conselho para relações internacionais da legenda russa, Sergei Zheleznyak, e prevê que os dois lados "se consultem e troquem informações sobre temas da atualidade, sobre a troca de experiências na esfera da política para os jovens e sobre desenvolvimento econômico".

Os dois partidos devem organizar seminários, congressos e mesas-redondas sobre assuntos ligados à relação entre Rússia e Itália. "Acreditamos que o acordo assinado hoje possa se tornar uma relação entre duas forças políticas de governo dentro de, no máximo, um ano", declarou Salvini, que pleiteia assumir o cargo de primeiro-ministro nas próximas eleições legislativas italianas, que devem ocorrer em 2018.

O líder da Liga Norte também manifestou o desejo de se encontrar com Putin e com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

"As diplomacias estão trabalhando nisso", garantiu. Seu partido é a maior força ultranacionalista da Itália e desponta como a terceira principal legenda do país, atrás apenas do antissistema Movimento 5 Estrelas (M5S) e do social-democrata Partido Democrático (PD).

A Liga possui orientação radicalmente contrária à imigração e eurocética e afinidades com os também ultranacionalistas Frente Nacional, da França, e Partido para a Liberdade, da Holanda. Frequentemente, Putin é acusado de apoiar legendas eurocéticas, cujo crescimento põe em risco a estabilidade da União Europeia. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA