Salvini é reeleito líder da Liga Norte por ampla maioria

Eurodeputado continuará guiando a extrema direita na Itália

Matteo Salvini em protesto a favor da legítima defesa contra bandidos
Matteo Salvini em protesto a favor da legítima defesa contra bandidos (foto: ANSA)
15:25, 15 MaiBONATE SOPRA ZLR

(ANSA) - O eurodeputado Matteo Salvini, 44 anos, foi reeleito secretário federal da Liga Norte, o principal partido de extrema direita na Itália.

No cargo desde dezembro de 2013, Salvini venceu as primárias do último domingo (14) com 82,7% dos votos, superando por ampla maioria seu desafiante, Gianni Fava, expoente da ala contrária à deriva pró-Marine Le Pen.

Ao todo, 8.024 militantes participaram da votação, número quase 20% menor que os 9.995 que foram às primárias de 2013. Para efeito de comparação, a eleição para escolher o secretário do governista Partido Democrático (PD), de centro-esquerda, reuniu mais de 1,8 milhão de pessoas.

A diferença entre as duas é que as primárias da Liga foram restritas a filiados, ao contrário das do PD. "Não pedimos dois euros, o voto é gratuito. Mas também fazemos melhor, não temos filas de chineses e ciganos", disse Salvini após depositar sua cédula na urna.

As principais bandeiras da Liga Norte são o fechamento das fronteiras, o rompimento com a União Europeia e o protecionismo econômico. O partido sempre concentrou suas atenções na parte setentrional do país, mas Salvini vem tentando angariar apoio nas regiões do sul, usando para isso frequentes aparições televisivas e críticas virulentas contra todo o establishment.

Por outro lado, o secretário afastou a legenda de algumas de suas principais propostas históricas, como o federalismo e a luta pela autonomia do norte da Itália. Atualmente, a Liga tem cerca de 13% das intenções de voto nacionais, empatada com o Força Itália, que representa a direita tradicional, mas muito atrás do PD e do antissistema Movimento 5 Estrelas (M5S), que disputam a liderança nas pesquisas e têm em torno de 30%. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA