Europa reage após nomeação de Cottarelli ao governo italiano

Macron elogiou decisão do presidente, mas Le Pen acusou de golpe

Europa reage após nomeação de Cottarelli ao governo italiano
Europa reage após nomeação de Cottarelli ao governo italiano (foto: ANSA)
12:26, 28 MaiROMA ZBF

(ANSA) - Após a Itália ser alvo de críticas da imprensa internacional pelo impasse na formação de um novo governo, políticos europeus reagiram hoje (28) - com elogio ou crítica - à decisão do presidente Sergio Mattarella de nomear o economista Carlo Cottarelli como primeiro-ministro encarregado.

O presidente francês, Emmanuel Macron, exaltou a "coragem" e o "grande espírito de responsabilidade" de Mattarella. "Ressalto a minha amizade e o meu apoio ao presidente Mattarella, que tem diante de si um missão essencial: a de manter a estabilidade institucional e democrática do seu país. E isso ele faz com muita coragem e um grande espírito de responsabilidade".

Já a chanceler alemã, Angela Merkel, tentou manter um tom mais neutro e disse que "respeita a Itália, um parceiro importante para a Alemanha". "Não condeno nenhum eleitor na Alemanha nem na Itália. Acredito que, quem tem a responsabilidade, deve encontrar a solução", comentou.

"Queremos colaborar com todos os governos, mas há princípios na zona do euro. Obviamente terão problemas, como ocorreu com a Grécia de Tsipras, porém, depois chegamos a um acordo", alertou.

Por sua vez, a líder do partido ultranacionalista francês Frente Nacional, Marine Le Pen, acusou Mattarella de dar um "golpe de Estado" na Itália. "Pela primeira vez desde a queda dos regimes autoritários na Europa, um país europeu é colocado diante de um verdadeiro golpe de Estado, cujo objetivo é subverter o objetivo das urnas e amordaçar institucionalmente a democracia", criticou.

"Por trás deste golpe, vemos as mãos de Bruxelas, dos mercados financeiros e da Alemanha", disse Le Pen, em um comunicado.

Já a União Europeia (UE), por meio de uma declaração da comissária para a Justiça, Vera Jurova, disse que "respeita os representantes que foram nomeados e trabalhará com quem quer que seja".

Ontem à tarde, Mattarella rejeitou o nome do eurocético Paolo Savona como ministro da Economia e fez ruir a tentativa do então premier encarregado Giuseppe Conte de formar um governo com o Movimento 5 Estrelas (M5S) e a Liga Norte na liderança. Savona é conhecido por defender a saída da Itália da zona do euro, além de comentários polêmicos, como uma comparação da Alemanha atual com o nazismo.

Em seguida, Mattarella decidiu de maneira unilateral, como presidente, indicar Cottarelli para formar um governo temporário. O jornal "The New York times" disse que Cottarelli é um "homem de experiência", e a "escolha preferida" do ex-premier e líder do partido Força Italia (FI), Silvio Berlusconi. No Reino Unido, os jornais estamparam nos títulos a possibilidade de Mattarella sofrer um impeachment por sua manobra. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA