Itália teria repatriado filha de diplomata norte-coreano

Jo Song-gil servia em Roma e está desaparecido desde novembro

O líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un
O líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un (foto: EPA)
08:21, 20 FevPEQUIM ZLR

(ANSA) - A filha de Jo Song-gil, ex-encarregado de negócios da Embaixada da Coreia do Norte em Roma e que está desaparecido desde novembro passado, teria sido repatriada à força da Itália para o país asiático.

Segundo fontes ouvidas pela ANSA, a jovem tem 17 anos e cursava o ensino médio na nação europeia. Ela teria sido repatriada antes de uma tentativa de se reunir com seus pais.

"Não sei exatamente quantos filhos Jo tem, mas a que vivia na Itália foi devolvida à Coreia do Norte. Jo, atualmente, está com a mulher", disse Thae Yong-ho, ex-número dois da Embaixada de Pyongyang em Londres e refugiado na Coreia do Sul desde 2016, à agência Yonhap.

Na entrevista, Thae lembrou que o regime de Kim Jong-un costuma adotar punições mais duras contra familiares de desertores que fogem para a Coreia do Sul do que contra parentes daqueles que escapam para outros países. "Não posso mais pedir publicamente para Jo vir à Coreia do Sul", disse.

Jo vivia na Itália desde maio de 2015 e foi encarregado de negócios da Embaixada da Coreia do Norte em Roma até novembro de 2018, quando desapareceu. Acredita-se que ele teria pedido asilo político em algum país ocidental. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA

archivado en