ONU pede para Itália abrir portos a migrantes

Navio da ONG Sea Watch está bloqueado no mar há nove dias

Migrantes a bordo do navio da ONG Sea Watch, em foto de arquivo
Migrantes a bordo do navio da ONG Sea Watch, em foto de arquivo (foto: ANSA)
17:54, 21 JunGENEBRA ZLR

(ANSA) - O Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (Acnur) afirmou nesta sexta-feira (21) que a Itália tem a "responsabilidade" de abrir os portos para os 43 migrantes a bordo do navio holandês da ONG alemã Sea Watch, que há nove dias aguardam uma autorização de desembarque.

O grupo foi resgatado de um barco superlotado no Mediterrâneo Central, e a embarcação da Sea Watch está na fronteira das águas territoriais italianas, a 15 milhas náuticas da ilha de Lampedusa.

"A Itália tem a responsabilidade de fazer desembarcar essas pessoas. Ninguém deve voltar", disse o porta-voz do Acnur, Babar Baloch. "Esses desesperados devem ser desembarcados, é uma obrigação determinada pelas normas internacionais", acrescentou.

O governo italiano diz que os migrantes devem voltar à Líbia, de onde partiram, mas tanto a ONU quanto as ONGs que atuam no Mediterrâneo não consideram o país africano - fragmentado por oito anos de guerras de milícias - um "porto seguro".

Como a Itália é o país mais próximo - Lampedusa fica mais perto da África do que da Península Itálica -, caberia a ela receber os migrantes forçados. "Com todo o respeito pela ONU e pelos 'professorões', as políticas sobre quem entra e sai são decididas pelo ministro do Interior", rebateu o ocupante do cargo, Matteo Salvini.

"É um navio holandês, e a Holanda não está longe. Ele é usado por uma ONG alemã. Que dê a volta e vá para Roterdã [na Holanda] ou Hamburgo [na Alemanha]", salientou. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA