Capitã Carola Rackete deixa Itália e volta para Alemanha

Alemã é acusada de favorecimento à imigração clandestina

Carola Rackete aparece após prestar depoimento em Agrigento
Carola Rackete aparece após prestar depoimento em Agrigento (foto: ANSA)
13:45, 19 JulROMA ZLR

(ANSA) - A capitã Carola Rackete, que é investigada na Itália por favorecimento à imigração clandestina e violência contra navio de guerra, voltou para seu país, a Alemanha.

A informação foi confirmada à agência alemã DPA por um porta-voz da ONG Sea Watch, cujo navio, que era comandado por Rackete, entrou sem autorização no porto de Lampedusa, ilha italiana situada no Mediterrâneo, com 40 migrantes a bordo.

A capitã partiu para a Alemanha na noite da última quinta-feira (18), após ter sido interrogada durante cerca de quatro horas no Ministério Público de Agrigento, na Sicília.

Rackete é acusada de favorecimento à imigração clandestina por ter salvado 53 pessoas na costa da Líbia. Ao entrar no porto de Lampedusa, a embarcação da Sea Watch colidiu com um barco da Guarda de Finanças, o que, segundo o MP de Agrigento, configura "violência contra navio de guerra".

Dos 53 migrantes socorridos por Rackete, 13 tiveram autorização para desembarcar na Itália por razões médicas. Os outros 40 só desceram do navio quando a capitã alemã forçou a entrada em Lampedusa, após 17 dias no mar.

O ministro do Interior e vice-premier da Itália, Matteo Salvini, havia ameaçado "expulsar" Rackete do país, enquanto a alemã, chamada de "delinquente" e "criminosa", entrou com uma ação por difamação contra o líder de extrema direita. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA