Partido de Salvini conquista região 'vermelha' na Itália

Candidata da Liga foi eleita governadora da Úmbria

Matteo Salvini celebra vitória em eleição regional na Úmbria (foto: ANSA)
10:35, 28 OutPERÚGIA ZLR

(ANSA) - A Liga, partido liderado pelo ex-ministro do Interior Matteo Salvini, conquistou neste domingo (27) uma vitória avassaladora em um dos bastiões da esquerda na Itália e aumentou a pressão sobre o governo do primeiro-ministro Giuseppe Conte.

Donatella Tesei, indicada pela Liga e apoiada por todos os partidos de direita, alcançou 57,55% dos votos e se tornou presidente da Úmbria, região que era comandada pela esquerda desde 1970. Ela superou Vincenzo Bianconi (37,48%), empresário sustentado pelas legendas que governam a Itália atualmente.

Essa foi a primeira disputa eleitoral que teve uma aliança formal entre o populista Movimento 5 Estrelas (M5S), o centro-esquerdista Partido Democrático (PD) e suas dissidências.

Apesar de adversárias históricas, essas siglas se uniram em setembro passado para evitar a convocação de eleições legislativas antecipadas. Vendo o avanço da Liga na Úmbria, os partidos decidiram reproduzir a coalizão em âmbito regional, mas não foi suficiente para evitar a derrota.

"Alcançamos uma conquista histórica na Úmbria", comemorou Salvini no Twitter. Mais tarde, em um discurso para seus apoiadores, o ex-ministro disse que o governo italiano "está com os dias contados".

A Úmbria tem menos de 1 milhão de habitantes, porém a decisão do M5S e da esquerda de se aliarem para derrotar Salvini deu relevância nacional à disputa. "Algumas pessoas em Roma terão de refletir. Os italianos não amam os traidores", atacou o líder de extrema direita.

A Liga ainda obteve 36,95% dos votos na eleição para a Assembleia Legislativa da Úmbria, com larga vantagem sobre o PD, segundo colocado, com 22,33%. Já o M5S ficou com apenas 7,41%, atrás do partido de extrema direita Irmãos da Itália (FDI), aliado de Salvini, com 10,40%.

O premier Conte, por sua vez, tentou tirar o peso do resultado sobre seu governo. "Não podemos desconsiderá-lo, mas estamos aqui para governar com coragem e determinação. Queremos reformar o país. Uma eleição regional não pode ter efeitos [no governo]", disse.

Desde as eleições legislativas de março de 2018, a coalizão de Salvini venceu quase todas as disputas regionais na Itália. Candidatos indicados ou apoiados pela Liga foram eleitos governadores de Molise (Donato Toma), Friuli Venezia Giulia (Massimiliano Fedriga), Abruzzo (Marco Marsilio), Sardenha (Christian Solinas), Basilicata (Vito Bardi) e Piemonte (Alberto Cirio), além da Úmbria.

Todas essas regiões eram governadas pelo PD. A Liga ainda elegeu o presidente da província autônoma de Trento (Maurizio Fugatti) e apoia o presidente da província de Bolzano (Arno Kompatscher), que formam o Trentino-Alto Ádige.

A única exceção é o Vale de Aosta, no extremo-norte da Itália, onde costumam prevalecer os partidos da minoria linguística francesa na região. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA