Epidemia faz governo da Itália adiar referendo

Consulta decidirá sobre redução do número de parlamentares

Turistas com máscaras de proteção no centro histórico de Roma, capital da Itália
Turistas com máscaras de proteção no centro histórico de Roma, capital da Itália (foto: )
13:00, 05 MarROMA ZLR

(ANSA) - O governo da Itália adiou o referendo sobre a reforma constitucional que reduz em um terço o número de parlamentares no país, previsto para 29 de março, por causa da epidemia de coronavírus.

Segundo o ministro das Relações com o Parlamento, Federico D'Incà, a medida foi tomada para garantir "uma campanha eleitoral eficaz". "Dessa forma, os procedimentos referendários na Itália e no exterior ficam suspensos e serão renovados quando houver uma nova data", declarou.

A lei italiana permite ao governo anunciar a data da consulta popular até 23 de março, para um domingo entre o 50º e o 70º dia após a convocação. Se a data for divulgada no prazo limite, o referendo poderá acontecer até 31 de maio.

Segundo o balanço divulgado pela Defesa Civil nesta quarta-feira (4), a epidemia de coronavírus já contaminou mais de 3 mil pessoas e matou 107 na Itália.

Redução dos parlamentares

O referendo decidirá sobre uma reforma que reduz a quantidade de deputados de 630 para 400 e a de senadores de 315 para 200 (sem contar os cinco vitalícios).

A medida também corta o número de parlamentares eleitos no exterior de 18 (12 deputados e seis senadores) para 12 (oito deputados e quatro senadores). Ainda não se sabe como será a nova distribuição de representantes da comunidade italiana nos outros países.

Atualmente, a América do Sul conta com quatro deputados e dois senadores. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA