Rússia faz críticas a jornal italiano e gera crise política

Itália pediu que russos respeitem liberdade de imprensa

Equipe médica da Rússia foi para a Itália para ajudar na pandemia
Equipe médica da Rússia foi para a Itália para ajudar na pandemia (foto: EPA)
12:41, 03 AbrROMA ZGT

(ANSA) - O Ministério da Defesa da Rússia emitiu uma nota oficial nesta sexta-feira (03) criticando jornal italiano "La Stampa" por conta de matérias publicadas sobre a doação de materiais por parte de Moscou durante a pandemia do novo coronavírus (Sars-CoV-2). A atitude gerou uma crise política entre os dois países.

"Nós notamos as tentativas do jornal italiano 'La Stampa', em curso já há duas semanas, de desacreditar a missão enviada pela Rússia em resposta ao pedido de ajuda do povo italiano, atingido pela desgraça. Escondendo-se atrás dos ideais da liberdade de expressão e do pluralismo de opiniões nas suas matérias, 'La Stampa' manipula os fakes russofóbicos da pior espécie, da época da Guerra Fria, citando 'opiniões' anônimas de fontes 'altamente alocadas'", escreveu em nota o general-maior e representante oficial do Ministério, Igor Konashenkov.

Os ataques do militar se dirigem, especialmente, a uma série de matérias publicadas pelo jornalista Jacobo Iacoboni, que levanta suspeitas de que os russos enviaram espiões em meio aos profissionais de saúde que foram para a Itália.

Segundo Konashenkov, o jornal "não para de usar o recurso, que são invenções dos próprios autores, seguindo as linhas dos manuais de propaganda antissoviéticas que, aparentemente, ainda não apodreceram".

Em tom de ameaça, o general afirma que o jornal é "russofóbico" e cita duas frases históricas. "Eles precisam aprender uma antiga sabedoria: 'Qui fodit foveam, incidet in eam' (quem cava uma cova, cairá nela). Ou ainda, sendo mais claros: 'Bad penny always comes back' ('um centavo ruim sempre volta')", afirmou.

Após a polêmica, foi a vez dos Ministérios da Defesa e das Relações Exteriores da Itália emitirem uma nota oficial conjunta sobre o caso, agradecendo a ajuda dos russos durante a pandemia, mas dizendo que "não pode deixar de mencionar o tom inoportuno de certas expressões usadas pelo porta-voz do Ministério da Defesa russo na relação com algumas matérias da imprensa italiana".

"A liberdade de expressão e o direito à crítica são valores fundamentais do nosso país, assim como o direito de resposta. Nesse momento de emergência global, a tarefa de monitorar e analisar a liberdade de imprensa permanece mais importante do que nunca", diz ainda a nota.

O comunicado afirma que, neste momento, a Itália está recebendo ajuda e apoio de muitos países e que é evidente a solidariedade que os italianos vem recebendo.

"Materiais e equipes capacitadas que chegaram da Rússia, assim como as contribuições enviadas de todos os outros países amigos, foram amplamente descritos e documentados com transparência por parte das Instituições. Reforça-se que a equipe sanitária russa, que chegou na Itália no dia 22 de março, trabalha em sinergia com o pessoal da Defesa italiana e do Ministério da Saúde", informa ainda.

Por sua vez, o diretor do jornal, Maurizio Molinari, afirmou que a publicação descreveu a ajuda recebida da Rússia "como fez com outros países: como demonstração de amizade e solidariedade em um momento dramático e de dificuldade para o país".

"Ao mesmo tempo, algumas de nossas matérias levantaram dúvidas e perplexidades, italianas e não, da possível presença de militares empenhados em missões de inteligência. Tratam-se de dois aspectos da mesma notícia, que os nossos jornalistas enfrentam com profissionalismo", destacou Molinari. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA