Premiê da Itália será vacinado com dose da AstraZeneca

Confirmação foi feita por Mario Draghi em coletiva de imprensa

Mario Draghi durante coletiva de imprensa na Itália
Mario Draghi durante coletiva de imprensa na Itália (foto: ANSA)
17:43, 19 MarROMA ZCC

(ANSA) - O primeiro-ministro da Itália, Mario Draghi, anunciou nesta sexta-feira (19) que será vacinado contra a Covid-19 com o imunizante desenvolvido pela Universidade de Oxford e o laboratório AstraZeneca, embora ainda não tenha agendado a data.

A declaração foi dada durante coletiva de imprensa após o Conselho de Ministros aprovar um novo pacote de auxílio no valor de 32 bilhões de euros para apoiar famílias e empresas afetadas pelos efeitos da pandemia do novo coronavírus.

"Ainda não me inscrevi, mas vou ser vacinado com a AstraZeneca", afirmou o ex-presidente do Banco Central Europeu (BCE).

A Itália retomou nesta tarde o uso do imunizante, que havia sido vetado por precaução em meio a relatos de casos de coagulações sanguíneas em pessoas recém-vacinadas, após aval da Agência Europeia de Medicamentos (EMA).

O órgão regulador garantiu que não há evidências de que o fármaco esteja diretamente relacionado aos casos de tromboembolismo registrados na Europa, enfatizando sua eficácia e segurança.

Até o momento, a Itália já aplicou 7.428.407 doses das três vacinas autorizadas para uso no país - Pfizer/BioNTech, Moderna e AstraZeneca -, sendo que 2.336.928 italianos já receberam duas doses completas.

"A campanha de vacinação abrandou mas não é um estado desastroso", afirmou Draghi, que disse acreditar que qualquer impacto sobre as pessoas que se recusarem a tomar a vacina da AstraZeneca nos próximos dias será temporário.

"Vacinaremos 500 mil pessoas todos os dias em abril e pretendemos aumentá-los ainda mais em maio e junho", disse.

Neste sábado (20), o comissário para a emergência na Itália, Francesco Paolo Figliuolo e o chefe da Defesa Civil, Fabrizio Curcio, serão vacinados com o imunizante da AstraZeneca. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA