Após Páscoa, Itália relaxa restrições para 40% da população

Apenas nove das 11 regiões do país seguem na 'faixa vermelha'

A região do Lazio, onde fica a capital Roma, é uma das 11 que progrediram para a 'faixa laranja'
A região do Lazio, onde fica a capital Roma, é uma das 11 que progrediram para a 'faixa laranja' (foto: ANSA)
08:02, 06 AbrROMA ZLR

(ANSA) - Após três dias de lockdown nacional para conter a disseminação do novo coronavírus na Páscoa, a Itália voltou nesta terça-feira (6) ao regime de níveis de risco diferenciados e relaxou as restrições para 40% da população do país.

Com o fim do feriado pascoal, que na Itália vai de sábado até segunda-feira, apenas nove das 20 regiões permanecem na "faixa vermelha": Calábria, Campânia, Emilia-Romagna, Friuli Veneza Giulia, Lombardia, Piemonte, Puglia, Toscana e Vale de Aosta, que englobam 60% dos habitantes.

A "faixa vermelha" é semelhante a um lockdown, com proibição de sair de casa a não ser por motivos de trabalho, saúde ou necessidade, além do fechamento de lojas, bares e restaurantes, com exceção de serviços de delivery e retirada.

Já as 11 regiões restantes progrediram para a "faixa laranja", na qual não há restrições para deslocamentos dentro do próprio município. Além disso, nesse regime é possível reabrir o comércio não essencial, mas bares e restaurantes continuam fechados. Segue em vigor um toque de recolher nacional entre 22h e 5h.

 

O governo de Mario Draghi também estuda definir um cronograma de reaberturas para as próximas semanas, mas uma primeira flexibilização já está prevista para esta quarta-feira (7), com o retorno das aulas presenciais para 5,6 milhões de alunos do sistema público escolar, representando 66% do total.

A Itália é um dos países mais atingidos pela pandemia em todo o mundo, com aproximadamente 3,7 milhões de casos e pouco mais de 111 mil mortes. No entanto, a curva epidemiológica vem dando sinais de desaceleração nas últimas duas semanas devido às medidas restritivas. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA