Itália tem mais 9.789 casos e 358 mortes por Covid

Centro de vacinação contra Covid em Brescia, norte da Itália
Centro de vacinação contra Covid em Brescia, norte da Itália (foto: ANSA)
13:32, 12 AbrSÃO PAULO ZLR

(ANSA) - A Itália registrou nesta segunda-feira (12) mais 9.789 casos e 358 mortes na pandemia de Covid-19, elevando os totais de contágios e óbitos para 3.779.594 e 114.612, respectivamente.

O novo boletim do Ministério da Saúde traz uma queda no número de novas infecções e um aumento nas vítimas em 24 horas em relação ao mesmo dia da semana passada, quando haviam sido contabilizados 10.680 casos e 296 mortes.

Com isso, a média móvel de contágios em sete dias caiu para 14.391, menor valor desde 24 de fevereiro (13.854), enquanto a de óbitos subiu de 461 para 469.

A Itália também soma pouco mais de 3,1 milhões de pacientes curados e 524.417 casos ativos. Cerca de 9,2 milhões de pessoas já foram vacinadas (cerca de 15% da população nacional), sendo que 4 milhões tomaram as duas doses (quase 7% dos habitantes).

Relaxamento

A melhora dos indicadores da pandemia do novo coronavírus na Itália fez o país iniciar nesta segunda-feira mais uma etapa do relaxamento das regras sanitárias de contenção da Covid-19.

Após decisão formalizada na última sexta (9) pelo Ministério da Saúde, seis regiões que estavam em lockdown progrediram nesta segunda para a faixa laranja: Calábria, Emilia-Romagna, Friuli Veneza Giulia, Lombardia, Piemonte e Toscana.

Ao contrário da fase vermelha, esse regime permite deslocamentos dentro do próprio município e a reabertura do comércio não essencial. Viagens inter-regionais seguem proibidas em todo o país, enquanto continua em vigor um toque de recolher noturno das 22h às 5h em âmbito nacional.

Por outro lado, a Sardenha regrediu da faixa laranja para a vermelha, se juntando a Campânia, Puglia e Vale de Aosta. Com isso, quatro regiões estão agora em regime de lockdown, englobando 20% da população nacional, contra os 60% da semana passada. (ANSA)

 

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA