Premiê italiano diz que mundo precisa reformular setor sanitário

Draghi gravou vídeo para reunião mundial que ocorrerá em Roma

Draghi cobrou reforma nos serviços sanitários do mundo para responder melhor às pandemias
Draghi cobrou reforma nos serviços sanitários do mundo para responder melhor às pandemias (foto: ANSA)
08:57, 20 AbrROMA ZGT

(ANSA) - O primeiro-ministro da Itália, Mario Draghi, gravou uma mensagem em vídeo para um encontro preparatório do Global Health Summit, que será realizado em Roma em 21 de maio, e ressaltou que o mundo precisa fazer uma reforma nos sistemas sanitários nacionais por conta das falhas mostradas durante a pandemia de Covid-19.

"A atual pandemia nos impõe estar melhor preparados para o futuro e o nosso trabalho deve começar agora porque não sabemos por quanto tempo durará essa pandemia ou quando a próxima nos atingirá. Precisamos apoiar a pesquisa, reforçar as cadeias de fornecimento e reestruturar os sistemas sanitários nacionais. Precisamos reforçar a coordenação e a cooperação global", disse Draghi.

Durante o vídeo, apresentado em um webinar com as partes civis interessadas nas questões da saúde, o premiê italiano ainda reconheceu que "muitos de nós não estávamos prontos para enfrentar uma crise sanitária dessa dimensão" e que havia a falta de capacidade de "identificar a pandemia através de um sistema de alerta precoce".

"Os nossos planos de emergência eram antigos e insuficientes. Mesmo com a coragem de nossos médicos e enfermeiros, o vírus mostrou a fragilidade de nossos sistemas de saúde. Mas, nós tivemos agilidade em responder e estamos combatendo o vírus com inovação, trabalho, cooperação. Em menos de um ano, os cientistas desenvolveram numerosas vacinas, as indústrias farmacêuticas colaboraram entre si para aumentar a sua produção, os governos lançaram campanhas de vacinação sem precedentes", pontuou o chefe de Governo.

No entanto, Draghi reconheceu o "custo alto" que o coronavírus Sars-CoV-2 provocou no mundo com mais de três milhões de mortes e problemas econômicos generalizados. Por isso, primeiro-ministro destacou a importância do webinar desta terça-feira porque também de grupos civis virão "contribuições" para compor a Declaração de Roma, que será elaborada durante a reunião de maio.

"A declaração conterá uma série de princípios para reforçar os nossos sistemas sanitários, melhorar a nossa capacidade de resposta e ter instrumentos para responder às futuras emergências sanitárias", concluiu.

O Global Healt Summit reunirá as lideranças dos países da União Europeia e do G20 e representantes dos principais órgãos das Nações Unidas e de instituições multilaterais globais.

A Itália é um dos países mais afetados no mundo pela pandemia de Covid-19. Em números absolutos, a nação contabiliza 3.878.994 casos confirmados e 117.243 mortes. Proporcionalmente, conforme dados da Universidade Johns Hopkins, o país está na 12ª colocação global da taxa de mortalidade, com 193,92 mortes a cada 100 mil habitantes. (ANSA).
   

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA