Itália indica que vacinação anti-Covid reduz mortes em 95%

Estudo foi publicado pelo Ministério da Saúde junto com ISS

Centro de vacinação em Roma, na Itália
Centro de vacinação em Roma, na Itália (foto: ANSA)
16:33, 15 MaiMILÃO ZCC

(ANSA) - Um estudo publicado pelo Ministério da Saúde da Itália em parceria com o Instituto Superior de Saúde (ISS) revelou neste sábado (15) que o risco de um paciente adulto ser hospitalizado ou morrer em decorrência da Covid-19 cai em mais de 90% cinco semanas após o início do ciclo de vacinação.

A pesquisa é a primeira do tipo realizada por um país da União Europeia sobre o real impacto da imunização e tem como referência 13,7 milhões de pessoas vacinadas com pelo menos uma dose entre 27 de dezembro de 2020 - dia do início da campanha de vacinação na Itália - e 3 de maio de 2021.

De acordo com o levantamento, o risco de infecção pelo Sars-CoV-2, hospitalização e morte diminuiu progressivamente já após as primeiras duas semanas.

A partir dos 35 dias do início do ciclo de vacinação, no entanto, há uma redução de 80% nas infecções, 90% nas internações e 95% nas mortes, tanto em homens quanto em mulheres e em pessoas de diferentes faixas etárias.

Os números ainda mostram que 95% das pessoas vacinadas com as doses Comirnaty, da Pfizer/BioNTech, ou Moderna completaram o esquema de vacinação, recebendo duas doses nas datas indicadas pelo calendário, enquanto que para a vacina da AstraZeneca nenhuma das pessoas incluídas no estudo havia completado a imunização.

Até o momento, 26.682.630 doses de vacinas anti-Covid já foram aplicadas desde o início da campanha na Itália, sendo que 8.370.461 pessoas já receberam as duas doses, o equivalente a 14,13% da população.

Segundo dados do governo, cerca de 3 milhões de doses das vacinas utilizadas chegarão na Itália durante a próxima semana. Especificamente serão 2,1 milhões da Pfizer, 200 mil da Janssen, 500 mil da AstraZeneca e mais de 100 mil da Moderna. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA