Salvini pede para Itália imitar Espanha e usar Exército contra migrantes

Governo espanhol reforçou fronteira para conter entradas ilegais

Governo espanhol reforçou fronteira para conter entradas ilegais (foto: EPA)
16:51, 18 MaiROMA ZCC

(ANSA) - O ex-ministro do Interior da Itália Matteo Salvini pediu nesta terça-feira (18) para o governo italiano imitar a medida anunciada pela Espanha, que prevê a mobilização de 200 militares adicionais para reforçar o controle da fronteira com Marrocos, depois da entrada ilegal de cerca de 6 mil migrantes na cidade espanhola de Ceuta em um dia.

"A Espanha (com governo de esquerda) posiciona o Exército nas fronteiras para impedir entradas ilegais. Aguardamos notícias do Ministério do Interior", escreveu o líder do partido ultranacionalista Liga no Twitter sobre o desembarque recorde de migrantes.

Ministro do Interior entre junho de 2018 e setembro de 2019, Salvini endureceu as políticas migratórias do país com a instituição de dois "Decretos de Imigração e Segurança", conhecidos como "Decretos Salvini".

Entre as medidas, estava a restrição de estadia na Itália por motivos humanitários, multas que chegavam a 1 milhão de euros para ONGs que navegassem sem permissão nas águas territoriais do país e prisão em flagrante de comandantes de embarcações que desafiassem autoridades nacionais.

Os "Decretos Salvini", no entanto, foram revogados logo após a Liga deixar a coalizão governista, com o Movimento 5 Estrelas (M5S), e que dava apoio ao então premiê Giuseppe Conte.

O político de extrema direita, inclusive, será julgado por impedir na época o desembarque de cerca de 150 migrantes salvos pelo navio da ONG espanhola Open Arms.

Nos últimos dois dias, o território de Ceuta, um enclave da Espanha no Marrocos, recebeu 6 mil imigrantes ilegais, o que fez o governo espanhol reforçar o contingente na cidade. Ao todo, foram enviados 200 militares, 150 polícias nacionais e 50 guardas civis para complementar os 1.100 efetivos que habitualmente se encontram na região.

Além disso, de acordo com o ministro espanhol do Interior, Fernando Grande-Marlaska, 2.700 pessoas já foram devolvidas para Marrocos.

Por causa da crise migratória, com números de chegadas recordes, o primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, anunciou o cancelamento de uma viagem programada a Paris e seguiu para o enclave.

O líder espanhol aumentou a pressão diplomática sobre Rabat e prometeu "restaurar a ordem" em Ceuta. "Agiremos com firmeza diante de qualquer desafio e circunstância", afirmou Sánchez, classificando a situação como uma "grave crise" para a Espanha e a Europa. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA