Itália convoca embaixador de Belarus sobre incidente com voo

Minsk se defende dizendo que Hamas ameaçou viagem

Pouso forçado de avião da Ryanair causou crise diplomática
Pouso forçado de avião da Ryanair causou crise diplomática (foto: ANSA)
13:17, 24 MaiROMA ZGT

(ANSA) - O Ministério das Relações Exteriores da Itália convocou nesta segunda-feira (24) o embaixador de Belarus em Roma para exprimir sua forte condenação sobre o incidente com o voo da Ryanair ocorrido neste domingo (23).

O avião com 149 passageiros foi obrigado a pousar em Minsk após ordem das autoridades do país por uma suposta bomba a bordo, mas na realidade, um jornalista opositor do presidente Aleksandr Lukashenko foi preso.

A decisão segue uma medida igual anunciada pela União Europeia a pedido do alto comissário europeu para a Política Externa, Josep Borrel.

Quem também se manifestou nesta segunda foi o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, que classificou o episódio como um "escândalo internacional".

"O primeiro ponto da ordem do dia do Conselho hoje é Belarus. Trabalharemos por sanções. A vida dos cidadãos europeus foi colocada em risco [...] e precisamos de uma reação firme", afirmou Michel na abertura dos trabalhos.

Já o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, também anunciou que está preparando um decreto para "cessar as ligações aéreas diretas entre a Ucrânia e a República de Belarus e fechar o espaço aéreo bielorrusso para os voos em direção ao nosso país".

Atitude semelhante foi anunciada pela Lituânia e também pelo Reino Unido.

O governo britânico anunciou que solicitou para as companhias britânicas que evitem o espaço aéreo de Belarus e também que convocou o embaixador em Londres para protestar.

Minsk acusa Hamas

Em sua defesa, o governo de Belarus deu mais detalhes sobre a suposta ameaça de bomba e acusou o grupo palestino Hamas pela ação.

"Nós, os soldados do Hamas, pedimos que Israel cesse os ataques em Gaza e pedimos que a UE renuncie ao seu apoio a Israel. Os participantes do Fórum Econômico de Delfi estão voltando para a casa no voo 4978 e uma bomba foi colocada nesse avião. Se não satisfizerem nossos pedidos, ele explodirá em Vilnius", dizia o suposto comunicado.

No entanto, as autoridades não deram detalhes da data da notificação, já que o cessar-fogo entre israelenses e palestinos foi firmado na quinta-feira (20).

O caso

O voo fazia o trecho entre Atenas, na Grécia, e Vilnius, na Lituânia, e ao entrar no espaço aéreo bielorrusso, aviões das Forças Armadas começaram a acompanhar a rota e obrigaram o piloto a pousar em Minsk.

Todos os passageiros foram interrogados no chão e tudo foi revistado, sem que nenhum explosivo fosse localizado. Eles ficaram no país por mais de seis horas.

No entanto, na aeronave estava o jornalista Roman Protasevich, fundador do canal de Telegram "Nexta", usado por opositores para divulgar notícias, que foi preso na ação.

O presidente de Belarus, Aleksandr Lukashenko, está no poder desde 1994 e é acusado de fraudar as últimas eleições para se manter no poder, controlando também toda a mídia oficial. (ANSA).
   

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA