Premiê da Itália cobra ajuda da UE para repatriar migrantes

Tema será discutido no Conselho Europeu nesta semana

Mario Draghi durante pronunciamento na Câmara dos Deputados
Mario Draghi durante pronunciamento na Câmara dos Deputados (foto: ANSA)
10:30, 23 JunROMA ZLR

(ANSA) - O primeiro-ministro da Itália, Mario Draghi, cobrou nesta quarta-feira (23) que a União Europeia seja mais "incisiva" na repatriação de migrantes sem direito a proteção internacional e na criação de corredores humanitários para refugiados.

A declaração foi dada durante uma comunicação do premiê na Câmara dos Deputados, em Roma, sobre a próxima cúpula do Conselho Europeu, órgão que reúne os líderes dos 27 membros da UE, marcada para 24 e 25 de junho.

"Queremos que o Conselho [Europeu] promova uma ação mais incisiva nas repatriações, inclusive por meio do instrumento de repatriações voluntárias assistidas, e que favoreça um empenho comum em favor dos corredores humanitários", disse Draghi.

O economista encabeça uma coalizão de união nacional que vai da extrema direita à centro-esquerda e que abriga visões opostas a respeito da crise migratória.

Enquanto a Liga, do senador Matteo Salvini, defende o bloqueio dos portos para pessoas salvas no mar, o Partido Democrático (PD), do ex-premiê Enrico Letta, apoia que a Itália resgate vidas no Mediterrâneo.

Em seu discurso na Câmara, Draghi evitou falar sobre operações de socorro marítimas, mas disse que o Conselho Europeu incluiu a gestão dos fluxos migratórios na pauta da próxima reunião após "pedido expresso da Itália".

"O governo quer gerir a imigração de modo equilibrado, eficaz e humano, mas essa gestão não pode ser apenas italiana, deve ser verdadeiramente europeia", acrescentou.

Segundo o Ministério do Interior, a Itália já recebeu 19.360 migrantes forçados via Mediterrâneo em 2021, crescimento de mais de 200% em relação ao mesmo período do ano anterior. Os principais países de origem são Bangladesh (2.979), Tunísia (2.843), Costa do Marfim (1.541), Egito (1.265) e Sudão (1.097). (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA