Itália aguarda 'de 4 a 5 dias' para possíveis efeitos da Euro

Governo teme repique da pandemia após festejos por título

Italianos se aglomeraram para ver seleção campeã europeia
Italianos se aglomeraram para ver seleção campeã europeia (foto: ANSA)
08:18, 13 JulROMA ZLR

(ANSA) - O título da Eurocopa provocou uma onda de euforia na Itália, mas também levantou preocupações a respeito de um novo repique na pandemia de Covid-19 devido às aglomerações registradas desde domingo (11).

Segundo o imunologista Sergio Abrignani, membro do comitê científico que assessora o governo no combate ao novo coronavírus, serão necessários entre quatro ou cinco dias para observar se haverá "picos de contágios nas cidades onde ocorreram comportamentos de risco".

"Vamos ver se arriscamos demais. Esperamos que seja como nos festejos que aconteceram em Nápoles pela Copa da Itália ou em Milão quando a Inter venceu o Scudetto. Houve aglomerações similares, mas sem nenhum pico de casos", disse.

Contudo, naquele momento, no fim de maio, a variante Delta, que vem provocando repiques em diversos países europeus, ainda não havia se disseminado na Itália.

"Naquele tempo havia a variante Alfa. É verdade que ela se dissemina menos, mas de qualquer forma não houve aquilo que temíamos. Esperamos que seja assim também desta vez, mas estamos com medo", ressaltou Abrignani.

A Itália foi campeã da Euro no último domingo, desencadeando uma onda de euforia por todo o país, com festas e aglomerações em cidades como Roma, Milão, Turim e Nápoles. Além disso, a seleção desfilou em carro aberto na capital italiana, juntando milhares de pessoas que queriam ver os campeões europeus de perto.

O país já vive um momento de alta nos casos diários de coronavírus, embora ainda muito longe do pico e com as mortes mostrando tendência de queda - foram 888 contágios e 13 óbitos na última segunda-feira (12).

Mais de 40% da população já está totalmente vacinada, o que vem impedindo uma explosão nos números da pandemia. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA