Político de extrema direita mata imigrante a tiros na Itália

Massimo Adriatici, da Liga, era secretário de Segurança de Voghera

Massimo Adriatici se afastou do cargo de secretário de Segurança de Voghera (foto: ANSA)
10:08, 21 JulPAVIA ZLR

(ANSA) - Um político de extrema direita da Itália foi preso nesta quarta-feira (21) após matar um imigrante a tiros na cidade de Voghera, no norte do país.

Massimo Adriatici, membro do partido ultranacionalista Liga e secretário municipal de Segurança, baleou um marroquino de 39 anos, Youns El Boussetaoui, durante uma briga na noite da última terça (20).

Segundo as primeiras informações da polícia, a confusão ocorreu em frente a um bar de Voghera, e a vítima, atingida por um tiro no peito à queima-roupa, chegou a ser levada a um hospital, mas não resistiu e faleceu pouco depois.

Adriatici foi preso preventivamente em regime domiciliar e responderá a um inquérito por "excesso culposo [quando não há intenção de cometer o crime] de legítima defesa".

O político se afastou do cargo de secretário de Segurança e diz ter disparado "acidentalmente" após ter sido empurrado no chão pelo marroquino, que tinha antecedentes penais por ameaça, desobediência, evasão, tráfico e por dirigir embriagado e sem documentos.

As circunstâncias exatas do crime, no entanto, ainda estão sendo investigadas. Matteo Salvini, senador da República e secretário federal da Liga, saiu em defesa de Adriatici e disse que a hipótese é de "legítima defesa".

"Vamos esperar antes de condenar uma pessoa de bem que se viu agredida e teria reagido", declarou Salvini, que frequentemente usa seu perfil no Twitter para acusar imigrantes de crimes ainda não apurados pela Justiça.

Já a deputada do partido antissistema Movimento 5 Estrelas (M5S) Valentina Barzotti afirmou que o incidente ocorrido em Voghera é "inquietante e provoca raiva". "É inaceitável que um homem desarmado possa perder a vida por um tiro em praça pública, como se estivéssemos no faroeste", afirmou. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA