Vídeo mostra imigrante agredindo político antes de morrer na Itália

Político do partido Liga foi preso em regime domiciliar

Político da Liga foi preso em regime domiciliar (foto: ANSA)
17:02, 22 JulMILAO ZCC

(ANSA) - Um vídeo divulgado nesta quinta-feira (22) mostrou parcialmente o que aconteceu antes de um político de extrema direita da Itália matar um imigrante a tiros na cidade de Voghera, no norte do país.

Imagens feitas por uma câmera de segurança revelam que o marroquino de 39 anos, Youns El Boussetaoui, se aproximou de Massimo Adriatici, membro do partido ultranacionalista Liga e secretário municipal de Segurança, trocou algumas palavras e depois deu um soco no rosto do político.

Na sequência, Boussetaoui é visto se afastando da cena, enquanto Adriatici levanta do chão e é abordado por algumas pessoas. A gravação, porém, não mostra o momento e a dinâmica em que ocorreu o disparo, nem quando o membro da Liga puxa sua arma. Apesar disso, é possível ver ele pegando alguns objetos não identificados ao se erguer.

Adriatici foi preso preventivamente em regime domiciliar por "excesso culposo [quando não há intenção de cometer o crime] de legítima defesa".

O procurador de Pavia, que apura o homicídio, pediu a confirmação da detenção porque ainda não está claro se o tiro foi disparado "acidentalmente" ou "intencionalmente". As investigações ainda estão em andamento.

O incidente ocorreu na noite desta quarta-feira (21) em frente a um bar de Voghera, e a vítima, atingida por um tiro no peito à queima-roupa, chegou a ser levada a um hospital, mas não resistiu e faleceu pouco depois.

O caso gerou uma polêmica sobre legítima defesa na Itália. A irmã da vítima, cuja identidade não foi divulgada, exigiu justiça por seu falecido irmão. "Existe justiça na Itália?", questionou ela.

Segundo a irmã de Boussetaoui, o imigrante, que tinha várias ordens de deportação pendentes e histórico de embriaguez, estava desarmado e "só precisava ser ajudado".

"O assassino está em casa, tendo uma boa noite de sono reparador. Onde está a justiça nesta Itália? Ou estamos em um floresta?", ressaltou. "Minha filha me perguntou: 'como aquele tiro foi disparado?' Se uma menina entende, como os magistrados podem não entender? Ele era meu irmão. Imagine se tivessem matado o seu irmão.

O marido da irmã do imigrante pediu também por justiça. "Queremos justiça... justiça para todos", gritou.

O ex-ministro do Interior e líder da liga, Matteo Salvini, conhecido por suas posições duras em relação aos migrantes, defendeu Adriatici ao máximo, reconhecendo que cabe à polícia determinar se ele atirou deliberadamente ou não.

O advogado da vítima, por sua vez, disse que Boussetaoui "deveria ter recebido tratamento, em vez de ter levado um tiro".  (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA