Região na Itália abre museu com guias que usam roupas nazistas

Iniciativa recebeu chuva de críticas no país

Museu sobre ocupação nazista em Recoaro Terme, no Vêneto
Museu sobre ocupação nazista em Recoaro Terme, no Vêneto (foto: Reprodução/Facebook)
14:16, 08 SetROMA ZLR

(ANSA) - Uma região do norte da Itália anunciou nesta quarta-feira (9) a abertura de um museu sobre a Segunda Guerra Mundial em que os guias usam uniformes da Wehrmacht, as forças armadas do regime de Adolf Hitler.

O museu fica em um antigo bunker nazista em Recoaro Terme, na região do Vêneto, e sua abertura foi anunciada no Facebook pelo governador Luca Zaia, do partido de extrema direita Liga.

O post, já apagado, mostrava funcionários vestidos com a roupa da Wehrmacht, o que provocou uma chuva de críticas contra a iniciativa. Por meio de uma nota, o diretório vêneto da Associação Nacional dos Partisans Italianos (Anpi) expressou "desconcerto" com o anúncio feito por Zaia.

"Não teríamos nada a objetar se a requalificação do bunker fosse voltada a fins de aprofundamento sobre os terríveis eventos bélicos na nossa região. Mas visitas guiadas com pessoas em uniformes da Wehrmacht deixam incrédulos todos aqueles que condenam o nazismo, o fascismo e a ocupação nazista da Itália", afirma o comunicado.

A nota ainda pede aos representantes políticos "máximo respeito à Constituição e condutas claramente antifascistas". Com pouco mais de 6 mil habitantes atualmente, Recoaro Terme foi quartel-general de Albert Kesselring, comandante das forças alemãs na Itália, até a rendição dos nazistas às tropas aliadas.

Também por meio de uma nota, o governador Zaia disse que suas redes sociais são administradas de maneira "autônoma por uma estrutura própria", mas pediu desculpas a "todos aqueles que podem ter se ofendido com a postagem".

Ainda segundo Zaia, a montagem do museu é de responsabilidade de uma associação local. Ele não explicou, no entanto, se os guias do local continuarão usando uniformes nazistas. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA