230 mi de crianças são invisíveis, afirma Unicef

1 em cada 3 crianças no mundo não tem certidão de nascimento

"O registro de nascimento é chave para que a criança não seja excluída do progresso de sua própria nação", diz Unicef (foto: ANSA)
08:23, 13 DezNOVA YORK ZCC

(ANSA) - No dia em que completou 67 anos, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) fez um apelo sobre a importância de registrar as crianças quando nascem. A organização divulgou o relatório "Every Child's Birth Right: Inequities and trend in birth registration" que afirma que cerca de 230 milhões de crianças abaixo de cinco anos não possuem registro de nascimento. O número equivale a uma a cada três crianças no mundo.
    "A certidão de nascimento é mais do que um direito. É como a sociedade te reconhece pela primeira vez e como reconhece a identidade e a existência de cada criança", declarou ontem, 11, a vice-diretora geral do UNICEF. "O registro de nascimento é inclusive a chave para garantir que a criança não seja esquecida, que não lhe neguem nenhum direito e não seja excluída do progresso de sua própria nação", completou. O relatório recolheu análises estatísticas de 161 países, os dados mais recentes e as últimas estimativas disponíveis por o país no registro de nascimentos.
    Em 2012, em todo o mundo somente cerca de 60% de todos os recém nascidos foram registrados assim que nasceram. Os 10 países com taxas mais baixas são: Somália (3%), Libéria (4%), Etiópia (7%), Zâmbia (14%), Chade (16%), Tanzânia (16%), Iêmen (17%), Guiné Bissau (24%), Paquistão (27%) e Congo (28%). As crianças que não possuem registro de nascimento e nenhum documento de identificação ficam privadas de ingressar em escolas, de terem tratamentos médicos e seguro social. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA

archivado en