Universidade de Garissa reabre 9 meses após atentado

Massacre promovido pelo Al Shabab deixou 148 pessoas mortas

Membro da Cruz Vermelha queniana acende vela em homenagem às vítimas de massacre na Universidade de Garissa
Membro da Cruz Vermelha queniana acende vela em homenagem às vítimas de massacre na Universidade de Garissa (foto: EPA)
16:08, 04 JanROMA ZLR

(ANSA) - Nove meses depois de um atentado que deixou 148 mortos, a Universidade de Garissa, no Quênia, reabriu oficialmente nesta segunda-feira (4).

 

Segundo a rede britânica "BBC", uma patrulha vigiará a entrada do campus 24 horas por dia para garantir sua segurança. O massacre de abril passado foi realizado pelo grupo jihadista somali Al Shabab, em resposta a uma intervenção militar queniana no país vizinho.

 

Após o ataque, cerca de 650 estudantes foram acolhidos pela Universidade de Eldoret, enquanto o governo da França criou um fundo para os 109 alunos feridos, aos quais foi garantida uma quantia de US$ 1,5 mil. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA