ONU busca paridade de gênero e pode eleger mulher como vice

Representante ajudaria o novo secretário com crises globais

ONU busca paridade de gênero e pode eleger mulher como vice
ONU busca paridade de gênero e pode eleger mulher como vice (foto: EPA)
14:41, 07 OutNOVA YORK Valeria Robecco

(ANSA) - Uma mulher poderá ser eleita como vice-secretária da Organizações da Nações Unidas (ONU), após a eleição do português António Guterres como próximo secretário-geral. A aprovação deve ser feita na próxima semana pela Assembleia Geral.
   

A expectativa de que fosse uma mulher que ocuparia o cargo máximo da diplomacia internacional se perdeu, quando foi divulgada a informação sobre o acordo dos membros do Conselho de Segurança para eleger Guterres.
   

A decisão pela escolha do ex-primeiro-ministro de Portugal, que também foi líder do Alto Comissariado da ONU para Refugiados, confirmou que um homem sucederá o sul-coreano Ban Ki-moon, no cargo desde 2007, enquanto uma mulher poderá ocupar o cargo de vice-secretária.
   

Durante sua campanha, Guterres deu como certa a nomeação de uma mulher porque em sua opinião é "fundamental a paridade de gênero" nas Nações Unidas.
   

Por sua vez, Ban Ki-moon se reuniu com o presidente da Itália, Sergio Mattarella nesta quinta-feira (6), em Roma. "Saudações a António Guterres por sua nomeação. Eu o conheço bem e considero uma eleição magnífica", comentou o atual responsável pela entidade.
   

Já Matarella disse que "a extraordinária experiência internacional em apoio aos mais fracos de Guterres será a maior garantia para a confirmação da herança de Ban Ki-moon".
   

Guterres, veterano na política e na diplomacia, primeiro-ministro de Portugal entre 1995 e 2002 e líder do Alto Comissariado para Refugiados de 2005 a 2015, assumirá o cargo em primeiro de janeiro de 2017 e seguirá seu mandato até 31 de dezembro de 2021.
   

"Era o melhor candidato e isso foi considerado de maneira unânime como a coisa mais importante", declarou Vitaly Churkin, embaixador russo e presidente de turno dos 15 representantes do Conselho de Segurança.
   

O secretário-geral eleito se definiu como um "honesto mediador, um construtor de pontes, uma pessoa que busca criar as condições para o consenso".
   

"Para descrever o que sinto com este momento me faltam palavras. Gratidão e humildade", comentou Guterres, de 67 anos, em uma videoconferência em Lisboa.
   

"Minha gratidão ao Conselho de Segurança por sua confiança, para a Assembleia Geral e os Estados-membros pelo processo de seleção aberto e transparente", afirmou o político português.
   

Guterres também declarou que está "comovido ao ver unidade no organismo da ONU". "Unidade e consenso são absolutamente indispensáveis para que o Conselho de Segurança enfrente os desafios de nosso tempo, porém se necessita de humildade para reconhecer os desafios atuais e para servir aos povos, sobretudo aos mais vulneráveis, como as vítimas dos conflitos e da pobreza", conclui ele.
   

Sua experiência o colocou como o favorito desde o primeiro voto preliminar do Conselho de Segurança, porém era temido o veto de Moscou, que pressionava pela eleição de um candidato do leste europeu.
   

Além disso, as tensões entre os Estados Unidos e a Rússia poderiam causar um processo longo e complexo. Por isso, o resultado, que elegeu Guterres com rapidez e de modo unânime, foi uma surpresa para muitos. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA