Manifestantes 'merecem respeito e apoio', diz Obama

Ex-presidente publicou texto sobre onda de protestos

Barack Obama se manifestou sobre protestos da comunidade negra
Barack Obama se manifestou sobre protestos da comunidade negra (foto: )
15:22, 01 JunWASHINGTON ZLR

(ANSA) - O ex-presidente dos Estados Unidos Barack Obama publicou um texto em que diz que a onda de protestos da comunidade negra que tomou o país após o assassinato de George Floyd por um policial branco representa uma "frustração legítima e genuína".

Obama, primeiro presidente negro dos EUA, publicou o texto nesta segunda-feira (1º), na plataforma Medium, enquanto o mandatário Donald Trump endurece o discurso contra os manifestantes.

"A onda de protestos pelo país representa uma frustração legítima e genuína após décadas de fracasso na reforma das práticas policiais e do sistema de justiça criminal nos Estados Unidos. A maioria esmagadora dos participantes tem sido pacífica, corajosa, responsável e inspiradora. Eles merecem nosso respeito e apoio, não condenação", escreveu Obama.

Por outro lado, o ex-presidente disse que a "pequena minoria" de manifestantes violentos, "seja por raiva genuína ou oportunismo", está "colocando pessoas inocentes em risco, agravando a destruição de bairros que frequentemente já contam com poucos serviços e investimentos".

"Não vamos justificar a violência, ou racionalizá-la, ou participar dela", acrescentou. Segundo Obama, se o objetivo dos protestos for uma mudança verdadeira, "então a escolha não pode ser entre os protestos e a política".

"Nós precisamos fazer ambos. Precisamos mobilizar para aumentar a consciência, e precisamos votar para garantir que vamos eleger candidatos que implantarão reformas", disse o ex-presidente, defendendo a canalização de uma "raiva justificável" para "ações pacíficas e efetivas".

"Então esse momento pode se tornar um verdadeiro ponto de virada na longa jornada de nossa nação para construir nossos ideais mais elevados", concluiu. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA