Após suspensão, OMS retoma testes com hidroxicloroquina

Uso do remédio foi barrado após estudo não comprovar eficácia

Uso do remédio foi barrado após estudo não comprovar eficácia
Uso do remédio foi barrado após estudo não comprovar eficácia (foto: Ansa)
14:17, 03 JunROMA ZCC

(ANSA) - A Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciou nesta quarta-feira (3) que retomou os testes com a hidroxicloroquina em pacientes infectados com o novo coronavírus (Sars-CoV-2).

O medicamento estava temporariamente suspenso do ensaio clínico desde o último dia 25 de maio, após um estudo da revista científica "The Lancet" indicar que não havia benefícios no uso da droga para combater a Covid-19.

Ontem, no entanto, a publicação compartilhou um "manifesto de preocupação" com as informações da pesquisa e disse que uma auditoria está sendo realizada.

A medida foi anunciada pelo diretor-geral da agência da ONU, Tedros Adhanom Ghebreyesus, durante coletiva habitual sobre a doença. "Com base nos dados disponíveis sobre mortalidade, o comitê recomendou que não há razões para modificar o protocolo de testes", disse.

Segundo ele, a decisão foi tomada baseada em dados adquiridos pela OMS, no projeto Solidariedade, com os resultados dos testes dos pacientes que tomaram a hidroxicloroquina. A iniciativa conta com dezenas de países, que são responsáveis por recrutarem voluntários infectados para testar a eficácia de possíveis medicamentos.

Durante a coletiva, Tedros ainda ressaltou sua preocupação com o avanço do novo coronavírus nas Américas Central e do Sul.

Máscaras-

A médica Maria Kherkova, da OMS, por sua vez, ressaltou que o uso das máscaras por si só não é suficiente para evitar a contaminação pela Covid-19. De acordo com ela, as proteções devem ser usadas como parte de uma estratégia geral contra o vírus.

"A máscara é fundamental em situações em que a distância social não pode ser respeitada", defendeu Kherkova.

Por fim, a OMS anunciou que, em breve, lançará novas diretrizes sobre o uso de máscaras. (ANSA)

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA