Coreia do Sul diz que desertor do Norte não tinha Covid

Homem é o primeiro 'caso suspeito' no país comunista

Desertor voltou para a Coreia do Norte e foi identificado como caso suspeito de coronavírus
Desertor voltou para a Coreia do Norte e foi identificado como caso suspeito de coronavírus (foto: EPA)
10:45, 27 JulPEQUIM ZLR

(ANSA) - A Coreia do Sul afirmou nesta segunda-feira (27) que o desertor identificado pela Coreia do Norte como primeiro caso suspeito do coronavírus Sars-CoV-2 no país não estava listado como infectado.

O homem fugira do Norte para o Sul em 2017, mas retornou para casa no último dia 19 de junho. Segundo o regime de Kim Jong-un, o desertor foi identificado como caso suspeito de coronavírus na cidade fronteiriça de Kaesong, que está em lockdown.

No entanto, um funcionário do Ministério da Saúde de Seul, Yoon Tae-ho, disse à imprensa local que o norte-coreano "não era assinalado como caso de Covid-19 ou como pessoa que teve contato com infectados".

Yoon ainda apresentou os resultados negativos de exames feitos por duas pessoas que mantiveram estreito contato com o desertor. Segundo a agência sul-coreana Yonhap, o homem era investigado por um suposto abuso sexual contra uma mulher que também havia fugido do Norte.

Após a detecção do "caso suspeito", Kim Jong-un declarou "alerta máximo" na Coreia do Norte, que, oficialmente, não teve nenhuma pessoa infectada na pandemia, apesar de fazer fronteira terrestre com a China, marco zero da crise. (ANSA)   

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA