Trump anuncia liberação da FDA para uso de plasma contra Covid

Tratamento, já usado por 70 mil pessoas, será ampliado

FDA anuncia a ampliação do uso de plasma para tratar pacientes com a Covid-19
FDA anuncia a ampliação do uso de plasma para tratar pacientes com a Covid-19 (foto: EPA)
07:40, 24 AgoWASHINGTON ZGT

(ANSA) - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou que a Administração de Alimentos e Drogas (FDA, na sigla em inglês) concedeu a autorização para o uso emergencial de plasma de pessoas recuperadas no tratamento de pacientes do novo coronavírus (Sars-CoV-2).

Durante a coletiva de imprensa neste domingo (23), o mandatário afirmou que o anúncio "não é político" e que é algo "histórico".

Embora Trump tenha usado diversos adjetivos para a liberação, ela já vinha sendo utilizada no país e cerca de 70 mil pessoas participaram de estudos clínicos com a terapia. Na prática, a FDA está ampliando a utilização do plasma e a autorização reduz a burocracia para acesso a ela - no entanto, a regra é temporária.

O uso de plasma, que é retirado do sangue de pessoas curadas da Covid-19, poderia reduzir a mortalidade de pessoas em até 35%, segundo alguns estudos sugerem. No entanto, assim como tudo que é relacionado à Covid-19, esse é mais um tratamento experimental.

Trump ainda pediu que pessoas que se curaram em todo o país doem plasma para ajudar nas pesquisas.

O chefe da FDA, Alex Azar, estava ao lado do republicano durante o anúncio e ressaltou que essa é uma terapia "potencialmente" interessante, pois os primeiros resultados estudados mostram uma real melhoria se ela for usada assim que os primeiros sintomas aparecem.

A coletiva ocorreu menos de 24 horas depois que Trump criticou publicamente a FDA, através de sua conta no Twitter, dizendo que a entidade que regula o setor estava "demorando" demais para liberar medicamentos e tratamentos contra o novo coronavírus.

Vale lembrar que não existe nenhuma terapia ou remédio cientificamente eficaz contra a doença no mundo.

Os Estados Unidos são aqueles que mais possuem casos e mortes pela Covid-19 no planeta, com mais de 5,7 milhões de contaminados desde o início da pandemia e 176.809 óbitos, segundo dados atualizados na manhã desta segunda-feira (24) pelo Centro Universitário Johns Hopkins. (ANSA).

 

Todos los Derechos Reservados. © Copyright ANSA